Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sexta-feira, 28 de março.

Primeira Leitura: Lula é abatido pelo 'fogo amigo' na Câmara.

Abatido pelo "fogo amigo"

O governo Lula foi abatido pelo chamado "fogo amigo" na sessão de quinta-feira na Câmara dos Deputados. Depois de costurar um acordo para, finalmente, votar a emenda que permite a regulamentação do artigo 192 da Constituição, que abre caminho para a independência do Banco Central, o governo foi forçado a adiar a votação para a próxima semana por falta de segurança do placar na sua própria base de sustentação.

Troca de papéis

A oposição a Lula, quem diria, garantiu quórum e estava disposta a votar a favor da medida, mas discursos de deputados do PT tiraram a segurança da turma do Planalto.

A última do Babá

O deputado Babá (PT-PA) subiu à tribuna e atacou, aos brados, a proposta, que segundo ele significaria a privatização do Banco Central. No final, surpresa: agradeceu a atenção e avisou que tinha apenas relido um antigo discurso do ministro Ricardo Berzoini (Previdência), proferido quando era deputado.

A última de Brizola

Não bastasse um Babá, há um Leonel Brizola no caminho de Lula. O presidente do PDT, sigla aliada, enviou um fax, durante os debates, avisando que seu partido fechara questão contra a aprovação do artigo 192. Detalhe: o substitutivo que estava em votação é do senador pedetista Jefferson Péres (AM) e, pela manhã, o PDT havia participado do acordo pela votação.

A última do PFL

"É preciso que fique claro que as locomotivas mais difíceis de arrastar para que o Brasil avance não são as da oposição, são as da base do governo", tripudiou o líder do PFL, José Carlos Aleluia (BA).

Ensaio geral

A sessão foi um circo. Mas foi, também, uma foi uma preliminar das dificuldades que o governo vai enfrentar para aprovar as reformas tributária e da Previdência.

Bancos levam a melhor

Juros altos mais taxa de câmbio idem é igual à transferência maior das riquezas de um país para o setor financeiro. Vejamos. O Brasil cresceu modestos 1,52% no ano passado. De acordo com o IBGE, o PIB (soma das riquezas produzidas) ficou em R$ 1,32 trilhão. O PIB per capita cresceu menos ainda: 0,21%. Mas os números revelam mais do que isso. Conforme o IBGE, a participação dos bancos no PIB aumentou para 8,61% em 2002, na comparação com os 6,58% do PIB registrados em 2001. Já as participações da agricultura, da indústria e do setor de construção caíram.

Desacelerando...

O IPC da Fipe e o IGP-M da FGV divulgados ontem mostraram desaceleração dos preços de produtos e serviços no atacado e no varejo. Muito devagar, a inflação vai cedendo por falta de um alimento essencial: renda na sociedade. Ontem, o Dieese informou que, em 12 meses, o rendimento médio real dos trabalhadores da Grande São Paulo caiu 8,8% em 12 meses.

Assim falou... Lula

"Quando a gente é de oposição pode fazer bravata porque não vai ter de executar nada mesmo. Agora, quando você é governo tem de fazer e aí não cabe a bravata"

Do presidente Luiz Inácio Lula da Silva, em encontro com empresários na Associação Comercial de São Paulo, explicando tudo...

Tudo é história

Muito se falou, na campanha de 2002, no risco de, com a vitória de Luiz Inácio Lula da Silva, a economia entrar num ciclo de experimentalismos que ameaçasse o equilíbrio fiscal e fizesse o Brasil enveredar pelo caminho da Argentina. Lula venceu, e o paloccismo se revelou mais ortodoxo que o malanismo, para gáudio dos chamados mercados, que ainda vivem a lua-de-mel com o governo.

À medida que os meses avançam, no entanto, vai aparecendo o verdadeiro risco-PT, para o qual os ditos mercados ainda não acordaram. Mas é questão de tempo. Esse risco é o da interdição política da pauta no Congresso por parte do PT - e dos demais aliados - o que jogaria por terra todo o esforço do fiscalista Palocci. Já aconteceu com Vitor Buaiz, no Espírito Santo, o primeiro petista a falar em reformas e em privatizações - e que queimou no fogo do inferno por isso, até ter de deixar o partido e desistir de governar.

Revista Consultor Jurídico, 28 de março de 2003.

Revista Consultor Jurídico, 28 de março de 2003, 8h30

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/04/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.