Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Jogo conturbado

Justiça aceita queixa-crime de Milton Neves contra Jorge Kajuru

Por 

A Justiça paulista aceitou uma das quatro queixas-crime por difamação movidas pelo jornalista Milton Neves contra o colega Jorge Kajuru. Neves não gostou de ter sido chamado por Kajuru de "rei do jabá", em programa da Rede TV!.

De acordo com o Dicionário Houaiss, jabá significa "dinheiro com que se compra um jogador para que deixe de vencer; suborno, dinheiro ou qualquer coisa usada para corromper alguém".

Kajuru alegou que não há justa causa para a queixa-crime. A tese foi rejeitada pela juíza da Vara Criminal do Foro de Barueri, Graciella Salzman.

Na primeira queixa-crime, Neves é representado pelo advogado Fernando Castelo Branco. Outras três queixas foram protocoladas em razão da repercussão da primeira. O advogado de Neves nos últimos casos é Antônio Carlos Sandoval Cata-Pretta. Segundo ele, Kajuru também ofendeu seu cliente nas revistas Veja e IstoÉ Gente e na TV Cultura.

Na seção de cartas da revista Veja, de 27 de novembro de 2002, Kajuru afirmou: "Sobre o processo contra mim, confesso estar vivendo momentos de glória. Afinal, ser processado por gente como Ricardo Teixeira, Marconi Perillo e Milton Neves é razão suficiente para receber, aos 41 anos, atestado de idoneidade."

A declaração numa reportagem da revista IstoÉ Gente, de 30 de dezembro de 2002, foi semelhante à da Veja: "Para mim, ser processado por gente como ele [Neves] é um atestado de idoneidade."

De acordo com Cata-Pretta, no programa "Cartão verde", da TV Cultura, Kajuru repetiu a afirmação. Em relação à queixa-crime aceita, Neves também entrará com pedido de indenização por danos morais no valor de R$ 1 milhão.

A defesa de Jorge Kajuru foi procurada pela reportagem da revista Consultor Jurídico durante todo o dia, mas não retornou as ligações.

Revista Consultor Jurídico, 19 de março de 2003.

Laura Diniz é repórter da revista Consultor Jurídico

Revista Consultor Jurídico, 19 de março de 2003, 18h55

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 27/03/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.