Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Nota de repúdio

OAB defende fortalecimento da ONU para defesa da paz

A Ordem dos Advogados do Brasil divulgou nota oficial para repudiar a guerra dos Estados Unidos contra o Iraque e convocar o governo brasileiro a fortalecer os trabalhos da Organização das Nações Unidas (ONU) em defesa de negociações que visem a paz.

Para a OAB, os interesses econômicos das nações beligerantes que defendem a guerra servirão apenas pra trazer "mais dor, medo e insegurança" aos países pobres. Cópia da nota será enviada às embaixadas dos Estados Unidos, da Inglaterra e da Espanha, além do Palácio do Planalto.

Leia a nota da OAB:

NOTA OFICIAL

O Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil (OAB) une-se aos movimentos de todo o mundo contra a guerra declarada pelos Estados Unidos contra o Iraque e que ameaça a segurança mundial, contrariando todas as alternativas discutidas pelo Conselho de Segurança das Nações Unidas.

Criada em meio aos escombros da II Grande Guerra, que dizimou gerações inteiras em praticamente todos os continentes, a ONU foi destinada a fortalecer a paz, a segurança e a cooperação internacional em todos os seus aspectos. A Organização das Nações Unidas tem uma larga experiência na aplicação dos meios pacíficos, mas se alguns conflitos persistem, as causas devem ser atribuídas, principalmente, à falta de vontade política de algumas nações beligerantes, como ocorre agora sob a liderança dos Estados Unidos da América.

Compartilhamos um mundo cada vez mais pobre de recursos naturais que está a exigir, da Humanidade, engenhosidade para que possamos garantir a nossa própria existência num breve futuro. Paradoxalmente, porém, constatamos que o desenvolvimento tecnológico está quase todo voltado para a destruição de vidas humanas.

A OAB vem a público exortar o governo brasileiro a fortalecer o papel da ONU em busca da paz para que o século XXI, que mal se iniciou, não seja, como o século passado, marcado pelas feridas da intolerância entre os povos.

Não às armas, e que a paz sobrepuje os interesses econômicos envolvidos numa guerra que apenas servirá para trazer mais dor, medo e insegurança aos países mais pobres.

Rubens Approbato Machado

Presidente do Conselho Federal da OAB

Brasília, 18 de março de 2003

Revista Consultor Jurídico, 18 de março de 2003.

Revista Consultor Jurídico, 18 de março de 2003, 13h25

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/03/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.