Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Crescimento recorde

Inadimplentes regularizam situação, afirma pesquisa da Serasa.

Um levantamento nacional da Serasa, empresa de informações e análises econômico-financeiras, revelou que houve um crescimento recorde do número de regularizações de pendências de pessoas físicas e jurídicas no primeiro quadrimestre deste ano, comparado com o mesmo período de 2002. O número de registros de pendências financeiras que foram resolvidas de janeiro a abril de 2003 é 72% do número de novas pendências incluídas no mesmo período. No primeiro quadrimestre de 2002, esse percentual foi de 37%.

Segundo o estudo, o número de pessoas atendidas nos primeiros quatro meses do ano é 27% maior do que o registrado no mesmo período do ano passado, que tem a segunda maior marca, 414 mil pessoas atendidas.

A pesquisa da Serasa mostrou que no primeiro quadrimestre de 2003 o Serviço Gratuito de Orientação ao Cidadão da Serasa registrou também um recorde de pessoas atendidas, apesar da inadimplência ter evoluído no período. Foram atendidas 526,4 mil pessoas, o maior número já registrado pela empresa, na comparação quadrimestral.

Segundo a Serasa, dois fatores explicam o recorde de pessoas atendidas no Serviço de Orientação ao Cidadão da Serasa em 2002 e as baixas em janeiro, fevereiro e março deste ano. O primeiro é o próprio aumento da inadimplência, causada por fatores conjunturais - como o desemprego, elevadas taxas de juros e queda da renda -, além do crédito concedido sem metodologia adequada e gestão do risco, a exemplo da prática generalizada de alongamento nos prazos de recebimento de cheques pré-datados no final do ano.

A segunda razão se refere ao comportamento do consumidor, que hoje procura renegociar suas dívidas junto aos credores ao mesmo tempo em que está mais cuidadoso em assumir novos compromissos. Segundo a Serasa, a conjuntura econômica promove a retração do consumidor que prioriza o acerto de suas dívidas e busca não acumular dívidas, como já aconteceu em passado recente.

Fonte: Agência MetaPress

Revista Consultor Jurídico, 30 de maio de 2003, 18h43

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/06/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.