Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Erro médico

Hospital, plano de saúde e equipe médica respondem por erro.

Nos casos de erro médico que causam morte do paciente, a responsabilidade e o dever de indenizar podem ser impostos, solidariamente, à equipe médica que fez a cirurgia, ao hospital e à empresa de plano de saúde da qual a vítima era conveniada. A decisão unânime é da Quarta Turma do Superior Tribunal de Justiça. A Corte não conheceu do recurso especial do Hospital Santa Lúcia S/A., de Brasília (DF), contra decisão do Tribunal de Justiça do Distrito Federal que condenou o estabelecimento a pagar indenização por danos morais à família de Carmelita Ferreira de Souza.

Ela morreu durante uma cirurgia de períneo em decorrência de choque anafilático causado por hipersensibilidade à penicilina. Entretanto, os exames pré-operatórios administrados na paciente já haviam comprovado que Carmelita sofria de hipersensibilidade à droga. Em face do erro médico, marido e filhos ajuizaram ação de indenização por danos morais contra o Santa Lúcia.

Em primeiro grau o pedido da família da vítima foi julgado procedente. A sentença proferida pela juíza singular condenou o Santa Lúcia a pagar aos autores da ação - a título de danos materiais - cinco salários mínimos, na proporção de um salário mínimo para cada um, desde a data da morte da mãe e esposa até que atingissem a maioridade. No caso do marido, até que o filho mais novo completasse 21 anos. O hospital também foi condenado ao pagamento de R$ 100 mil por danos morais.

O Santa Lúcia apelou da decisão ao Tribunal de Justiça do Distrito Federal e Territórios, que negou provimento ao recurso afirmando: "Evidenciado o erro médico que causou a morte da vítima, impõe-se solidariamente o dever de indenizar entre a equipe médica, o hospital e a empresa responsável pelo plano de saúde".

Inconformado, o hospital recorreu ao STJ. Alegou não ser parte legítima da ação. A defesa do Santa Lúcia sustentou que foi o corpo médico vinculado ao plano de saúde Amil que teria prestado toda assistência médica à paciente. "O contrato do recorrente (Santa Lúcia) com as empresas de plano de saúde é limitado em emprestar as dependências e colocar a disposição dos profissionais os medicamentos e aparelhos necessários a realização da cirurgia, sem no entanto ter qualquer participação no modus operandi do médico particularmente indicado pela paciente ou convênio".

Todavia, o ministro Cesar Asfor Rocha, relator do processo, não acolheu os argumentos do Santa Lúcia. Para o ministro, a decisão do TJ do DF que entendeu pela responsabilidade solidária do hospital na morte de Carmelita de Souza está em conformidade com o artigo 14 do Código de Defesa do Consumidor (CDC).

O ministro transcreveu trechos do acórdão da decisão de segundo grau em seu voto: "O serviço prestado pelo hospital, pelo plano de saúde Amil e pelos médicos foi defeituoso. E o próprio Código de Defesa do Consumidor cuidou de identificar expressamente: ´o serviço é defeituoso quando não fornece a segurança que o consumidor dele pode esperar´. Ora, a hipersensibilidade da vítima à penicilina era conhecida antes da malfadada internação para a cirurgia. Vale dizer, os serviços foram prestados sem a necessária segurança e expuseram a paciente à fatalidade que poderia ter sido evitada".

Asfor Rocha ressaltou que não poderia conhecer do recurso porque todas as alegações apresentadas pela defesa do Santa Lúcia exigiriam o reexame de provas, o que é proibido pela súmula 7 do STJ. (STJ)

Processo: Resp 232380

Revista Consultor Jurídico, 29 de maio de 2003, 9h33

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 06/06/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.