Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Reage, Brasil.

'Fux foi vítima da guerra civil existente nas cidades brasileiras.'

O ministro Luiz Fux, do Superior Tribunal de Justiça, é um daqueles cariocas de bem com a vida. Professor universitário, recebe de seus alunos o respeito e admiração a cada formatura. Faixa-preta em artes marciais, sempre usou a técnica para aprimorar os movimentos do corpo e da alma. Gosta de música, da família, e não deixa de usufruir das belezas da Cidade Maravilhosa. Sai às ruas e se diverte com os filhos nos finais de semana, nos quais pode se afastar de Brasília. O ministro Fux é um boa praça; como dizíamos nos tempos de juventude.

Fux fez carreira brilhante na magistratura: promotor de Justiça, juiz de Direito em várias comarcas, desembargador do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, chegou ao Superior Tribunal de Justiça em 2001 e se firmou como profundo conhecedor do Direito e juiz com sensibilidade social.

No último final de semana, Fux foi assaltado na porta do prédio, no qual reside com sua família - esposa e dois filhos. Segundo a polícia, o magistrado chegava em casa e foi rendido por alguns jovens. Foram levados para o apartamento, e lá os bandidos iniciaram a sessão de tortura a que são submetidos os cidadãos indefesos de qualquer parte deste nosso Brasil sem esperança e cheio de medo. Os quase-meninos, filhos da classe média, brutais e frios, começaram a estapear os filhos do ministro, usando a tática dos torturadores profissionais; maltratam os que nos são queridos para obterem informações sobre bens que imaginam estejam escondidos em locais secretos. O que pode ter um magistrado?

Algumas jóias, obras de artes e muitos livros. E para que lhes servem livros se o que desejam é só ouro e dólares? As agressões aumentam, apesar de tudo ter sido entregue. Não há mais nada; informou a vítima aos seus algozes. Na mente do mestre em artes marciais, devem ter passado os muitos ensinamentos a respeito de como agir em situações de risco.

O sentimento de pai falou mais alto, e a indignação se apossou do cérebro. Ficou tudo escuro e a reação não tardou. Pulou no mais violento e defendeu a cria. Era bicho contra bicho. Lutou até cair atingido por marretas e coronhadas. O homem ficou no chão, e os animais fugiram assustados com a luta de quem se acostumou a fazer Justiça com as leis e não com as próprias mãos.

O ministro Luiz Fux é mais uma vítima na guerra civil que transformou todas as cidades brasileiras, sem exceção. Lembro-me que há alguns anos, na Península dos Ministros, no Lago Sul, um almirante - o segundo militar na hierarquia do Ministério da Marinha -, foi brutalmente espancado a golpes de marreta por um marginal. O assaltante queria o rádio que o almirante ouvia em sua caminhada matinal.

A vítima entregou o objeto e, mesmo assim, foi agredido; reagiu atracando-se com o bandido que, assustado, fugiu. Socorrido, o militar foi repreendido por amigos e policiais de que não deveria ter reagido, pois poderia ter sido morto; ao que ele respondeu: - Se ninguém reagir, daqui a pouco tempo estaremos todos mortos, nas mãos desses criminosos.

Fux e o almirante estão entre as autoridades que já fazem como os cidadãos comuns que não são protegidos pela polícia ostensiva nas ruas e reagem contra os criminosos. Às vezes morrem, outras vezes ficam feridos; em alguns casos, matam e são processados; em outros raros, conseguem defender a sua família e a si próprios sem danos maiores. Mas, como na guerra, estão prontos a lutar pela vida. Este é o dilema; estamos na disputa pelo espaço ínfimo entre o bem e o mal. Se não lutarmos, seremos intimidados e humilhados por bandidos sem limites; seremos mortos-vivos.

Breve, chegará o dia em que cada cidadão será obrigado a usar as mesmas armas dos marginais e, aí sim, a tragédia será maior. Despreparados como os bandidos, estaremos nos matando mutuamente, resultado da ineficiência dos políticos que nos governam.

Revista Consultor Jurídico, 28 de maio de 2003, 9h59

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/06/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.