Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Imprensa em questão

TSE deve julgar crime de imprensa capaz de influenciar eleitor

"A possibilidade de influenciar a opinião pública, às vésperas da eleição, é critério determinante para se firmar a competência da Justiça Eleitoral para julgar suposto crime praticado pela imprensa com possível repercussão no resultado das eleições." O entendimento é do ministro Jorge Scartezzini, da Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça, ao julgar um pedido de habeas corpus em favor do jornalista João Marcos Sabará Carvalho, diretor de redação do jornal "A Notícia", de Alagoas.

Em 2002, Washington Luis Damasceno Freitas, Maria Valéria Lins Calheiros e Antônio Fernando Menezes Batista da Costa, juízes do Tribunal Regional Eleitoral de Alagoas, apresentaram queixa-crime contra o jornalista da suposta prática de calúnia e difamação. De acordo com os juízes, o jornal teria publicado reportagens acusando-os de ter recebido suborno para votar a favor da permanência do prefeito da cidade de Junqueiro (AL) no cargo.

A prisão preventiva do jornalista foi decretada pelo TRE-AL, fundamentada na necessidade de garantir a ordem pública. Sabará ficou impedido de exercer as atividades jornalísticas e os computadores da redação do "A Notícia" foram apreendidos.

Inconformado, o jornalista entrou com HC no STJ, alegando a incompetência da Justiça Eleitoral para processar e julgar o caso. "Tanto o despacho proferido como todo o processo é merecedor de invalidade e trancamento, vez que flagrantemente vem causando injustiça ao paciente, em virtude de não ter seguido as exigências de uma relação jurídica processual válida", argumentou a defesa dele.

A Subprocuradoria-Geral da República opinou que o processo fosse encaminhado à Justiça Eleitoral, já que o habeas corpus foi impetrado contra decisão do TER-AL, "atraindo a competência do Tribunal Superior Eleitoral para o exame do caso".

O relator do recurso no STJ, Jorge Scartezzini, concordou com a manifestação do Ministério Público e explicou: "A ação penal instaurada em decorrência de crimes contra a honra praticados através da Imprensa, em época eleitoral, mas sem qualquer intuito de influenciar a opinião dos eleitores, é da competência da Justiça comum. Entretanto, o fundamento central dessa questão está na natureza da infração cometida".

Em seu voto, o ministro transcreveu trechos da queixa-crime que narram que as acusações contra os três juízes veiculadas no jornal criaram um "alarme no seio da sociedade, gerando incertezas na população e no mundo político acerca da integridade moral dos juízes que conduziriam os destinos jurídicos da eleição".

Scartezzini entendeu que a queixa-crime deixou clara a possibilidade das matérias escritas pelo jornalista realmente terem influenciado a opinião pública à época, o que pode ter repercutido no resultado final das eleições na região. "A meu sentir, os fatos narrados -- conquanto capitulados na queixa como incursos nos artigos 20 e 21 da Lei de Imprensa -- enquadram-se no Código Eleitoral, que coloca de forma específica a proteção à honra nesses casos", afirmou.

O ministro não conheceu do habeas corpus em favor do jornalista, determinando a remessa dos autos para o TSE. O entendimento que foi acompanhado pelos demais ministros da Quinta Turma. (STJ)

HC 22.622

Revista Consultor Jurídico, 20 de maio de 2003, 14h29

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 28/05/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.