Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Acidente de trabalho

O novo Código Civil e a polêmica sobre acidentes de trabalho

Por 

Imagine um empregado operador de empilhadeira que sofreu um acidente de trabalho. Na interpretação de alguns estudiosos, pelo artigo 927 do novo Código Civil, esse empregado conseguiria a condenação da empresa ao pagamento de indenização sem nenhuma exigência de provar a culpa do empregador.

Os defensores dessa teoria argumentam que a nova redação desse dispositivo estabeleceu a culpa objetiva, ou seja, a empresa que mantém empregados em atividade cuja natureza ofereça ou exponha a risco, fica automaticamente obrigada a indenizar sem nenhum direito de provar que não agiu com culpa ou dolo para a ocorrência do acidente.

Essa interpretação é equivocada. O novo Código Civil não inovou tanto quanto os imprecisos termos do dispositivo parecem disciplinar. As atividades que potencializariam riscos a outrem, de forma habitual, já se encontram reguladas pela Constituição Federal (art. 7º, inciso XXVIII), que estipula o dever do empregador de indenizar quando ficar comprovado que este agiu em dolo ou culpa para a ocorrência do acidente.

Considerando ser o novo Código Civil lei inferior à Constituição Federal, não poderia revogá-la, prerrogativa exclusiva de emenda à Constituição. Portanto, há de se concluir, tranqüilamente, que o artigo 927 é inaplicável aos acidentes de trabalho ou doenças ocupacionais, nas quais fica garantido ao empregador, comprovar que adotou medidas e forneceu equipamentos hábeis a neutralizar ou eliminar os riscos da atividade desenvolvida pelo empregado.

Mesmo após 11 de janeiro, os empregadores estão a salvo da responsabilidade objetiva e continuam respondendo mediante verificação de culpa, nas ações de indenização por acidente de trabalho, inclusive aqueles que desempenham habitualmente atividades de risco.

 é especialista em Direito do Trabalho do escritório Mesquita Barros Advogados

Revista Consultor Jurídico, 6 de maio de 2003, 14h19

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 14/05/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.