Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Caso Watergate

Estudo aponta advogado como fonte de jornal no caso Watergate

*Texto transcrito do site Observatório da Imprensa

Um dos maiores mistérios políticos da história americana pode ter sido resolvido após 30 anos de intensa especulação. Bill Gaines, professor de jornalismo da Universidade de Illinois, após um estudo de quatro anos concluiu que Garganta Profunda - "Deep Throat", a fonte dos jornalistas do Washington Post que denunciou as manobras ilegais de Richard Nixon contra rivais políticos - é o advogado Fred Fielding.

A pesquisa envolveu 60 estudantes e a análise de 16 mil páginas de documentos do FBI relacionados ao escândalo Watergate, que levou Nixon a renunciar à presidência em 1974. "Tudo o que temos, mostramos. E temos evidências; não são interpretações ou suposições. Se não for Fielding, não sei como pode ser outra pessoa", declarou Gaines, vencedor de dois prêmios Pulitzer por reportagem investigativa.

Na época, Fred Fielding era assistente do advogado da Casa Branca, John Dean. Segundo Gaines, ele estava numa posição que o permitia observar a tentativa de encobrir a invasão do escritório democrata no prédio Watergate, em 1972, sem ser acusado de fazer parte da conspiração. Ele era um dos poucos que tinham acesso a informações confidenciais - fornecidas por Garganta Profunda a Bob Woodward e Carl Bernstein - como a ordem dada a Dean para jogar no rio Potomac uma mala com documentos incriminatórios.

Woodward e Bernstein não comentaram o estudo; ambos prometem revelar o nome da fonte apenas após sua morte. Fielding, que após a renúncia de Nixon trabalhou com Ronald Reagan e hoje integra a comissão nacional sobre ataques terroristas, também não deu declarações. Informações de William Neikirk [Chicago Tribune, 23/4/03] e Ciar Byrne [Guardian 24/4].

Revista Consultor Jurídico, 2 de maio de 2003, 11h41

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 10/05/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.