Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ministro aplaudido

Discurso do presidente do TST faz sucesso em Congresso da CUT

Ao contrário das vaias recebidas pelo ministro da Previdência, Ricardo Berzoini, pelo presidente do PT, José Genoino, e pela prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, o presidente do Tribunal Superior do Trabalho, ministro Francisco Fausto, foi aplaudido pelos mais de três mil sindicalistas, que participaram no 8° Congresso da CUT, em São

Paulo.

Foi a primeira vez que um presidente do TST compareceu a um encontro da entidade. À mesa do Congresso, além de Fausto, Berzoini, Genoino e Marta, estavam o ministro do Desenvolvimento Agrário, Miguel Rosseto, os ex-presidentes da CUT Vicentinho e Jair Meneguelli, o atual presidente da entidade, João Felício, e o presidente do PSTU, José Maria de Almeida.

As vaias provocaram tumulto entre os participantes, mas os seguranças do evento não permitiram que os manifestantes chegassem perto da mesa. Os seguranças também retiraram das mãos do público faixas de protesto, em que se lia "abaixo as reformas neo-liberais do governo burguês Lula/FMI" e "Berzoini, preste atenção, esta reforma é privatização".

O ministro afirmou, em seu discurso, que a eleição do presidente Luiz Inácio Lula da Silva é um marco muito importante da história do país, porque representa "uma ruptura em relação a dominação de 500 anos de elite no Brasil". Segundo ele, "o mais extraordinário é que esta ruptura se deu sem traumas políticos, sem traumas sociais".

Leia o discurso de Francisco Fausto:

"Eu dizia ao deputado Jair Meneguelli que nunca vira uma assembléia tão democrática, uma exuberante lição de vida pública. Todos os homens públicos do País, todos os dirigentes, como eu, que presido o

Tribunal Superior do Trabalho, deveriam comparecer a uma assembléia como esta para receber lições de democracia e liberdade. Tenho feito vários pronunciamentos em todo o País, principalmente em assembléias de magistrados, advogados e procuradores.

Com os advogados, aprendi o poder da reflexão. Com os procuradores, aprendi o poder fiscalizador da lei. Com os magistrados, aprendi o poder da Justiça. Mas com os senhores, nesta noite de São Paulo, aprendi o poder da liberdade. Tenho dito que a partir de janeiro deste ano houve uma ruptura em relação à dominação de 500 anos de elite no Brasil.

Mais extraordinário é que esta ruptura se deu sem traumas políticos, sem traumas sociais porque está no comando do governo um representante dos trabalhadores do Brasil, um autêntico

representante do povo, egresso da minha região nordestina, que, chegando a São Paulo, conseguiu liderar um grande contingente de trabalhadores.

Mas a minha palavra hoje é muito simples, é apenas de saudação aos

congressistas da CUT. Espero que os senhores tenham um bom trabalho pela frente e que dêem uma grande contribuição para o desenvolvimento do Brasil. Muito obrigado a todos. (TST)

Revista Consultor Jurídico, 4 de junho de 2003, 14h41

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 12/06/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.