Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Pedido rejeitado

STJ nega HC a pai que simulou demissão para não pagar pensão

As investigações que envolvem pai e filho em crime de falsidade ideológica com o objetivo de não pagar pensão alimentícia devem continuar, em São José dos Campos (SP). A Quinta Turma do Superior Tribunal de Justiça negou pedido em habeas corpus para trancar a ação penal contra os dois.

O filho trabalhava com o pai desde abril de 1987. Em 1991, ele se casou, tendo nascido um filho deste matrimônio. O casamento acabou em 1993. A homologação do divórcio ocorreu em 20/2/1995. Em novembro de 1998, ele foi procurado pela ex-mulher que pretendia acertar os débitos da pensão alimentícia do filho do casal, que não eram depositados desde agosto de 1998. Ela teria afirmado na ocasião que, se ele não pagasse o devido, iria buscar a solução por meios judiciais. O valor combinado da pensão era o equivalente a 3 salários mínimos e meio.

"Com o fim de se furtar ao pagamento de alimentos devidos ao filho menor, W.P.J. e seu pai e empregador, W.P., elaboraram um termo de rescisão de contrato de trabalho e registraram na Carteira de Trabalho e Previdência Social de W.P.J.", afirmou a denúncia. "Com esta conduta (...) pretendiam justificar o não pagamento das pensões alimentícias atrasadas, prejudicando o direito do menor de recebê-las", continuou.

Ainda segundo a acusação, "tanto o termo de rescisão quanto o registro na carteira de trabalho são ideologicamente falsos, pois como constatado por Oficial de Justiça, o denunciado W.J. continuava trabalhando para o mesmo empregado".

Após a denúncia, os acusados entraram com um habeas corpus no Tribunal de Justiça de São Paulo pedindo o trancamento da ação penal. O pedido foi indeferido. O TJ-SP considerou que a matéria ensejaria exame de provas.

No recurso para o STJ, a defesa insistiu no trancamento da ação, argumentando que a demissão constante na Carteira de Trabalho de um dos pacientes, por si, não é crime. Alegou, também, que a empresa do segundo denunciado realmente se encontrava em dificuldades financeiras, razão pela qual demitiu alguns funcionários, e entre eles, o filho.

O ministro Jorge Scartezzini, relator do recurso no STJ, discordou. "A conduta dos pacientes, como delineada na peça vestibular, é ao menos em tese, típica", observou. "Constatou-se, e isso é incontroverso e é, inclusive, ratificado pelo recorrente, que o segundo denunciado continuava trabalhando na empresa de seu pai, apesar de haver, pela CTPS, sido demitido", afirmou o ministro.

Ao manter a decisão, que negou o trancamento da ação contra pai e filho, o ministro considerou irretocáveis os argumentos expendidos pelo tribunal paulista. (STJ)

Revista Consultor Jurídico, 21 de março de 2003.

Revista Consultor Jurídico, 21 de fevereiro de 2003, 11h40

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/03/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.