Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Lição de cidadania

Série de cartões telefônicos leva noções de Direito a usuários

O presidente do Tribunal de Justiça de Rondônia, Gabriel Marques de Carvalho, lançou na última segunda-feira (3/2), a série de cartões telefônicos da BrasilTelecom, que trazem no verso ilustrações da Cartilha da Justiça em Quadrinhos.

A cartilha faz parte do projeto "Cidadania e Justiça também se aprendem na escola", desenvolvido pela Associação dos Magistrados Brasileiros com crianças do ensino fundamental. A idéia da parceria entra a AMB e a empresa é do coordenador do Cidadania e Justiça em Rondônia, juiz Marcos Alaor Diniz Grangeia.

Serão comercializados 3 milhões e 760 mil cartões, que já podem ser comprados nos . Em cada Estado serão produzidos 342 mil cartões. As três primeiras séries trazem informações sobre os três Poderes e as outras oito, informações sobre direitos da criança e do adolescente, do consumidor, ambiental, constitucional, do trabalho, entre outros.

Segundo a Assistente Comercial de Telefonia Pública da BrasilTelecom, Kátia Garbin, "o interesse pelo cartão tem o superado as expectativas" nestes primeiros dias de venda. "Estamos levando os conceitos de Cidadania e Justiça para milhões de brasileiros e não apenas para os alunos das nossas escolas, no âmbito estadual", avaliou o presidente do TJ-RO.

O projeto "Cidadania e Justiça também se aprendem na escola" é desenvolvido pela AMB, desde 1992, em vários estados brasileiros. O objetivo é levar noções de cidadania a alunos do ensino fundamental por meio da leitura e debate de textos, principalmente da Cartilha da Justiça em Quadrinhos, redações, música, teatro, jogral, entre outras atividades escolhidas pelos próprios alunos.

Em alguns Estados, como o Paraná e Rio de Janeiro, no encerramento do projeto é feito um júri simulado com as crianças no fórum da cidade. O projeto será desenvolvido, a partir deste ano, também em escolas indígenas, no município de Dourados (MS).

Revista Consultor Jurídico, 4 de fevereiro de 2003, 20h11

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 12/02/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.