Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Novo capítulo

Justiça paulista aceita queixas-crime contra Jorge Kajuru

Por 

O apresentador Jorge Kajuru terá que explicar, na Justiça, as suas opiniões sobre o colega Milton Neves. O juiz Marco Antônio de Lorenzi, da 1ª Vara Criminal do Foro Regional da Lapa (SP), acatou duas queixas-crime movidas por Neves contra Kajuru. Ainda cabe recurso.

O interrogatório está marcado para a próxima segunda-feira (5/5), às 14h30. Neves já planeja entrar com novas ações contra Kajuru.

Nas duas queixas-crime, que foram apensadas, Neves acusa Kajuru de injúria. Pela Lei de Imprensa, a pena para crime de injúria é de detenção de um mês a um ano.

De acordo com o advogado Antônio Carlos Sandoval Cata-Pretta, um dos representantes de Neves, o apresentador da TV Bandeirantes cometeu crime de injúria na seção de cartas da revista Veja, de 27 de novembro de 2002, quando afirmou: "Sobre o processo contra mim, confesso estar vivendo momentos de glória. Afinal, ser processado por gente como Ricardo Teixeira, Marconi Perillo e Milton Neves é razão suficiente para receber, aos 41 anos, atestado de idoneidade." No programa "Cartão verde", da TV Cultura, Kajuru teria repetido a suposta ofensa. Por isso, foram impetradas as duas queixas-crime.

O Ministério Público opinou pela aceitação das queixas-crime e sugeriu o apensamento. O juiz acatou o parecer do Ministério Público.

Cata-Pretta pediu a preservação da fita de um programa de rádio recente de Kajuru para preparar nova queixa-crime. Segundo o advogado, ele teria dito que o apresentador da TV Record é "picareta". Em entrevista ao site Consultor Jurídico, Kajuru nega que tenha feito tal afirmação.

Uma primeira queixa-crime, impetrada por outros advogados de Neves -- Fernando Castelo Branco e Patrícia Wagman Fuchman -- já foi aceita pela Justiça de primeira instância. Nesse caso, Neves reclamou que teria sido chamado de "rei do jabá".

Patrícia Wagman Fuchman informou que há três pedidos de notificações para analisar fitas em que Kajuru teria ofendido Neves. Na quarta-feira (30/4), devem ser feitas mais duas notificações. "Se entendermos que houve ofensa nas declarações de Kajuru, será impetrada novas queixas-crime".

 é editora da revista Consultor Jurídico e colunista da revista Exame PME.

Revista Consultor Jurídico, 29 de abril de 2003, 17h49

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/05/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.