Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Tempo de espera

Lei sobre tempo de atendimento de consumidores é questionada

A Lei nº 12.465/02, de Santa Catarina, que dispõe sobre o limite de tempo para atendimento de consumidores em estabelecimentos públicos e particulares que prestam serviços de qualquer natureza, está sendo questionada no Supremo Tribunal Federal. O governador de Santa Catarina, Luiz Henrique, ajuizou Ação Direta de Inconstitucionalidade contra a lei estadual.

A lei determina que os consumidores sejam atendidos no prazo de 15 minutos em dias úteis normais e de, no máximo, trinta minutos em dias que antecedem a feriados prolongados e nos imediatamente seguintes a eles.

Além de estipular limite de tempo, a lei prevê sanções que vão da advertência à aplicação de multas que variam de R$ 425,64 a R$ 1.276,92, conforme a gravidade da infração.

Luiz Henrique afirmou na ação que a limitação temporal imposta pela lei catarinense ao serviço público estadual afronta a Constituição Federal, pois somente o chefe do Executivo tem competência para tratar de matéria referente à organização e funcionamento da Administração Estadual. Assim, não poderia a Assembléia Legislativa promulgar lei dessa natureza.

Argumenta ainda o governador que a Lei nº 12.465/02, ao regular a prestação de serviços dos estabelecimentos privados, estaria ferindo a competência legislativa privativa da União, pois somente ela pode dispor sobre obrigações e/ou contratos de serviços entre particulares.

Segundo Luiz Henrique, o Código de Defesa do Consumidor já rege as relações de consumo e estabelece as respectivas sanções para os casos em que os direitos do consumidor são descumpridos, "não cabendo aos Estados-membros dilatar seu campo de atuação". A lei estaria violando, portanto, os princípios da livre concorrência e da liberdade do exercício das atividades econômicas, além de ferir o princípio da independência e harmonia entre os Poderes.

Por fim, disse o governador, que "a imposição de multas em casos de atraso involuntário no pronto-atendimento ao consumidor por empresa prestadora de serviço de qualquer natureza viola ainda os princípios da razoabilidade e proporcionalidade implicitamente inseridos no texto da Constituição, uma vez que não excepciona as hipóteses fáticas em que o serviço deixa de ser prestado por eventos alheios à vontade do fornecedor do serviço". O ministro Celso de Mello é o relator da ação. (STF)

ADI 2.879

Revista Consultor Jurídico, 25 de abril de 2003, 17h38

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/05/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.