Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Terça-feira, 22 de abril.

Primeira Leitura: TV Globo ressalta apoio ao governo Lula.

Pensamento único

Nunca, como agora, o Brasil correu tamanho risco de se submeter ao "pensamento único". Quem passou parte do domingo sintonizado na TV Globo assistiu, num dado momento, a uma peroração do apresentador Fausto Silva em defesa explícita do governo Lula. Para Faustão, o Brasil, finalmente, tem a chance de se encontrar com seu destino.

Porta-voz de quem?

O apresentador é, provavelmente, o maior salário da TV brasileira. Ainda assim, comparece como porta-voz dos excluídos, aos quais oferece também um serviço bancário. Os alvos são os que têm renda a partir de R$ 150. Une o politicamente correto ao economicamente agradável, em rechonchudo discurso milionário e cidadão.

É fantástico!

No Fantástico, num quadro estrelado pela atriz Denise Fraga, a personagem Glória costuma misturar incidentes de sua vida privada a situações realmente havidas. Neste domingo, o tema foi a bursite do presidente Lula. Durante todo o tempo, um panegírico do petismo.

Novos emblemas

O mais emblemático ainda estava por vir. Uma, por assim dizer, "reportagem" sobre as aposentadorias nababescas pagas a alguns servidores lembrava que o Brasil gasta mais de R$ 220 mil por mês só com a pensão a quatro viúvas de militares. Deve ser verdade. Nessa hora, o governo, que quer fazer as reformas, passa as informações para o repórter "fuçador", que se entrega ao hercúleo trabalho de fazer proselitismo das pretensões oficiais. Na mensagem subliminar, o óbvio: é preciso fazer passar a reforma da Previdência. E quem resistir é porque está se pondo a favor das quatro velhinhas marajás. É um escárnio!

Serviço feito

O "serviço", sem dúvida, foi feito. Começou com Faustão dizendo que, agora, sim, o Brasil encontrou seu rumo, passou pela simplória Denise Fraga a escandir um texto obviamente "engajado" no mais estarrecedor governismo e terminou com uma peça "jornalística" que, por meio dos exemplos, evidenciou a necessidade das reformas e satanizou o funcionalismo.

Assim, não

É preciso fazer a reforma? É. Mas não assim. Nunca foi tão escandalosa a vinculação entre a principal e maior emissora do país e o governo. Desde o auge do regime militar ao menos, na primeira metade dos anos 70, não se vê tamanho alinhamento. O tempo vai dizer se tudo isso é apenas amor ao governo Lula.

Refrão

O petismo, que criou o famoso refrão "O povo não é bobo/ Fora Rede Globo" quando se julgava perseguido pela emissora, precisa agora mudar o bordão: "O povo é mesmo bobo/ Viva a Rede Globo!".

Assim falou...Maria da Conceição Tavares

"Gozado: cai a mortalidade, aumenta a alfabetização, os velhos recebem renda e [os programas sociais] não estão funcionando? As estatísticas sociais apresentadas no Conselho de Desenvolvimento Econômico e Social foram falsificadas. São essas coisas que fazem com que a sociedade diga, há uma década, que o serviço público não funciona, que o Estado é ineficiente e que tem de focalizar."

Da economista e estrela do PT, em entrevista ao jornal Folha de S. Paulo, ao comentar a idéia da equipe econômica de focalizar nos mais pobres as políticas sociais, o que, segundo ela, não passa de desculpa para acabar com a universalização de serviços de saúde, educação e previdência. Detalhe: o Conselho que ela cita é composto por notáveis escolhidos pelo próprio presidente Lula.

A história falsificada

José Genoino, presidente do PT, compareceu ao programa Fantástico, da Rede Globo, com seu cabelo e barba corretamente platinados e aparados para explicar por que, ainda hoje, tantos petistas usam barba. Disse que era parentesco com utopias e rebeldias. Genoino citou Che Guevara - ok, vá lá! - e Beatles - uma tolice, é claro.

A barba dos rapazes de Liverpool, como sabe todo beatlemaníaco, já era prenúncio de depressão. Não tinha nada de utopia e jamais inspirou esquerdistas brasileiros. Até porque todos eram monoglotas e nacionalistas. Imaginem se gente que vaiou Caetano Veloso em 1968 porque usava guitarra deixaria a barba crescer porque se sentia identificado com John Lennon e aqueles protestos que fazia deitado na fama e na cama...

Os barbudos à Genoino curtiam mesmo eram as marchinhas redentoras de Geraldo Vandré. Curiosamente, Genoino deixou de citar Fidel Castro, este sim o verdadeiro inspirador da barba petista. Não por acaso. Há dias, o dono de Cuba prendeu mais de 70 oposicionistas e mandou fuzilar três deles. Tudo sob o silêncio cúmplice dos barbas-brancas do PT.

Revista Consultor Jurídico, 22 de abril de 2003, 11h36

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 30/04/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.