Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

De olho no Fisco

Lei faculta compensação de créditos do IPI com débitos do Refis

O contribuinte não está obrigado a compensar os valores de créditos escriturais do Imposto sobre Produtos Industrializados (IPI) com débitos consolidados inscritos no Programa de Recuperação Fiscal (Refis). O entendimento é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça. Segundo a Turma, a legislação que disciplina o Refis faculta ao contribuinte compensar os valores de créditos escriturais do IPI com débitos consolidados inscritos no referido programa, entretanto não permite ao Fisco obrigá-lo a isso.

A questão foi definida em um recurso especial da Fazenda Nacional contra decisão do Tribunal Regional Federal da 4ª Região, que deu ganho de causa à empresa Bier Scharlau e Companhia Ltda. A tese do Fisco é que a autoridade pode determinar que os créditos do contribuinte sejam empregados na compensação de tributos vencidos, inclusive o Refis, em detrimento de outros mais recentes ou a vencer.

Segundo a Fazenda, a autoridade administrativa pode dizer quais dívidas tributárias devem ser quitadas primeiro, nos casos de o pagamento ou crédito não ser suficiente para quitar todo o valor devido. "É que ao contrário do direito privado, no direito público a escolha dos débitos a serem quitados se faz no interesse do credor", defende. Dessa forma, seria legítima a sua recusa em permitir o livre aproveitamento dos créditos para o pagamento de outros débitos tributários.

A questão está em decidir a possibilidade de a empresa compensar créditos escriturais do IPI com débitos de outros tributos administrados pela Secretaria de Receita Federal, sem observar a exigência do fisco para que os créditos sejam compensados como montante do Refis.

Para o TRF, a adesão do contribuinte ao Refis implica na confissão irretratável dos débitos inseridos em tal programa, que no entanto têm a sua exigibilidade suspensa. O caso foi parar no STJ.

O relator do caso no STJ, ministro Luiz Fux, indeferiu o pedido da Fazenda Nacional. Ele ressaltou que cabe à própria Fazenda credora aplicar o pagamento aos créditos tributários vencidos; no caso em análise, no entanto, não se trata de débito do contribuinte com o fisco federal, até porque, se assim fosse, o erário poderia de pronto executá-lo. Na verdade, a empresa impetrou um mandado de segurança requerendo a compensação de créditos escriturais de IPI com outros tributos administrados pela Receita Federal.

Dessa forma, a imputação em pagamento é meio de extinção do crédito tributário. No caso, não havendo débito vencido, mas crédito escritural do IPI a ser compensado em benefício do contribuinte, não se pode conduzir à imputação de pagamento, exatamente porque não há pagamento a ser efetuado. (STJ)

Processo: Resp 448.758

Revista Consultor Jurídico, 16 de abril de 2003, 10h11

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 24/04/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.