Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Campo invadido

Presidente do TJ-RJ critica comportamento de dirigentes de futebol

O presidente do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro, desembargador Miguel Pachá, criticou o comportamento de dirigentes do futebol carioca, que invadem o campo e dão um péssimo exemplo para os torcedores. Numa carta enviada ao secretário estadual de Esportes, Francisco Carvalho, o presidente do TJ-RJ destaca o esforço que vem sendo feito, inclusive com a ajuda das torcidas, para eliminar a violência nos estádios, mas que é preciso evitar que dirigentes, pessoas estranhas ao jogo e até mesmo a imprensa, invadam o campo.

A carta do desembargador Pachá é a propósito da instalação do Juizado Especial Criminal, no próximo domingo, durante o Fla-Flu. A primeira experiência desse tipo foi feita na decisão do campeonato carioca, entre Vasco e Fluminense. O presidente do TJ lembrou que foram registradas apenas oito ocorrências naquele jogo. "Nossa primeira experiência foi um êxito pois somente tivemos oito ocorrências, o que demonstra que as torcidas tiveram um ótimo comportamento e entenderam que o nosso objetivo é o de diminuir a violência nos estádios. Não posso deixar de lamentar o comportamento inadequado de alguns dirigentes, juntamente com parte da imprensa e de pessoas estranhas que invadiram o campo e mantiveram o jogo paralisado por algum tempo", completou.

O presidente do Tribunal lembra ainda que antes de a partida terminar, uma multidão ficou em pé junto da linha lateral do campo, impedindo que os torcedores que estavam na geral vissem o que se passava em campo, "num verdadeiro desrespeito aos direitos de quem comprou ingresso".

Pachá pede ao secretário Francisco Carvalho que faça uma cópia da carta chegar aos presidentes da Federação de Futebol, do Tribunal de Justiça Desportiva e dos clubes.

O Fla-Flu de domingo será o segundo jogo a ter um juizado Especial Criminal de plantão no Maracanã. Nele, estarão um juiz, um promotor, um defensor público, um delegado, além de peritos da polícia técnica.

As ocorrências policiais de menor vulto, como brigas entre torcedores e furtos, serão levadas diretamente ao juiz de plantão e o julgamento e a sentença ocorrerão na mesma hora. Os casos de maior gravidade serão encaminhados à Delegacia Policial. (TJ-RJ)

Revista Consultor Jurídico, 10 de abril de 2003, 15h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 18/04/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.