Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fim da jornada

Vidigal diz que Estado é insensível à questão do trabalho escravo

O vice-presidente do Superior Tribunal de Justiça, ministro Edson Vidigal disse, ao encerrar a I Jornada de Debates sobre Trabalho Escravo, que aconteceu no STJ, que o Estado é insensível à questão do trabalho escravo. "A pessoa cidadã conhece direitos e os usufrui e os potencializa em dignidade. A pessoa que não é cidadã não tem informação alguma, não sabe nada sobre seus direitos. A sociedade egoísta a ignora e o Estado insensível a exclui", disse.

As discussões sobre o tema tiveram a participação de várias autoridades entre elas, do presidente do STJ, ministro Nilson Naves, dos ministros da Justiça, Paulo Sérgio Pinheiro, e do Trabalho, Paulo Jobim. O diretor-adjunto do escritório da Organização Internacional do Trabalho no Brasil, Jaime Mezerra, disse que o trabalho escravo é um crime que deve ser combatido por todas as esferas sociais.

O ministro Edson Vidigal falou da importância da "ação integrada" da Justiça Federal, da Justiça do Trabalho, Ministério Público da União e da Polícia Federal na luta contra a situação de escravidão vivida por muitos trabalhadores brasileiros. "Essa vergonha não habita só no nosso país. O trabalho escravo está latente em toda a América Latina, Ásia e, de forma disfarçada, como mão-de-obra clandestina em países desenvolvidos. Ao sediar este encontro, o STJ reitera o compromisso que todos nós, agentes públicos, temos com a realização da justiça social no Brasil", afirmou.

Revista Consultor Jurídico, 25 de setembro de 2002, 19h38

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/10/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.