Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Fiscal eletrônico

Decreto da prefeitura de SP regulamenta a fiscalização eletrônica

A prefeita de São Paulo, Marta Suplicy, instituiu a fiscalização eletrônica e informatizada na administração municipal. Segundo o Decreto nº 42.422, quando for preciso, a fiscalização poderá ser feita através da terceirização dos serviços, precedida de licitação.

A Companhia de Processamento de Dados do Município de São Paulo (Prodam) deverá criar um banco de dados para o registro e arquivo das imagens captadas. Dessa forma, quando houver pedido, o interessado poderá ter acesso às informações contidas nessa 'database'.

Segundo o advogado Ricardo Araujo de Deus Rodrigues, da assessoria jurídica da Federação do Comércio no Estado de São Paulo, o decreto é discutível e merece uma análise criteriosa. "O artigo primeiro não define quais são as diversas posturas no âmbito da administração municipal. Apenas no artigo 4º, podemos ter uma idéia dos possíveis dados que seriam arquivados no hipotético banco de dados. Com relação ao parágrafo único, do artigo 1º, o qual elenca as formas pelas quais a fiscalização eletrônica será realizada, a discussão pode aquecer, vez que, como todos sabem, as formas alí descritas são totalmente discutíveis, relativamente à restrição da liberdade de qualquer cidadão".

Rodrigues acredita ser mais uma forma de se tentar aumentar a receita do município instituindo taxas de serviço que, por muitas vezes, estão em desacordo com as regras constitucionais.

Leia a íntegra do decreto

MARTA SUPLICY, Prefeita do Município de São Paulo, no uso das atribuições que lhe são conferidas por lei,

CONSIDERANDO que, na Cidade de São Paulo, em razão do vulto das atividades econômicas e da grande extensão territorial, os aspectos atinentes à ação fiscalizatória municipal assumem expressiva complexidade e, por esse motivo, estão permanentemente a demandar soluções criativas, inovadoras e eficazes;

CONSIDERANDO que é dever do Poder Público modernizar e aprimorar os instrumentos de gestão, tendo como objetivo principal aumentar a eficiência e eficácia da atuação administrativa, e

CONSIDERANDO que a utilização de meios tecnologicamente mais avançados é exigência do momento atual, impondo-se a adoção de procedimentos mais ágeis e seguros na constatação de situações cuja administração e controle estejam afetos ao âmbito de competência municipal,

DECRETA:

Art. 1º - Fica instituída a fiscalização na modalidade eletrônica e informatizada para as diversas posturas no âmbito da Administração Municipal, que poderá realizá-la diretamente ou mediante terceirização dos serviços, precedida de licitação.

Parágrafo único - Entende-se por fiscalização eletrônica aquela realizada por meio de aparelhos e métodos especiais, tais como, câmaras digitais, vídeos, sistemas de posicionamento geográfico, imagens de satélite, equipamentos computadorizados para emissão de documentos e outros meios tecnológicos similares.

Art. 2º - Os autos de notificação, infração e multa, bem como outros instrumentos e documentos a serem utilizados na fiscalização eletrônica a que alude o artigo 1º deste decreto, deverão ser concebidos por portaria da Secretaria Municipal por eles responsável.

§ 1º - Os autos mencionados no "caput" deste artigo deverão ser concebidos prevendo a sua utilização como instrumento de quitação das sanções pecuniárias eventualmente impostas.

§ 2º - Deverão, obrigatoriamente, constar dos autos referidos no "caput" deste artigo, o dispositivo legal violado e a imagem captada da infração.

§ 3º - As imagens captadas deverão ficar disponíveis aos técnicos da Prefeitura do Município de São Paulo, para exame e decisão quanto a recursos eventualmente interpostos contra a aplicação de penalidade.

Art. 3º - Quando instrumentalizada por terceiros, a fiscalização eletrônica e informatizada não requererá, necessariamente, para tanto, a presença física de agente vistor ou outro técnico da fiscalização da Administração Municipal.

Art. 4º - A Companhia de Processamento de Dados do Município de São Paulo - PRODAM deverá criar um Banco de Dados, com a finalidade de registro e respectivo arquivo de imagens captadas nas vias e logradouros municipais, leitos carroçáveis e não carroçáveis, muros e demais pontos, para a constatação de seu estado de conservação, segurança e do não cumprimento das posturas municipais.

§ 1º - Mediante solicitação, contendo justificativa aceita pela Administração Municipal, e pagamento do respectivo preço público, qualquer interessado poderá ter acesso às informações contidas no Banco de Dados aludido no "caput" deste artigo.

§ 2º - Qualquer órgão ou entidade da Administração Municipal poderá, mediante justificativa, consultar o Banco de Dados referido no "caput" deste artigo.

Art. 5º - Os recursos relativos aos autos de infração, de notificação e de multa seguirão os procedimentos previstos na legislação específica, sendo analisados com base nas considerações apresentadas pelo infrator recorrente, comparadas com os dados arquivados no Banco de Dados competente.

Art. 6º - Todos os órgãos e entidades da Administração Municipal, Direta ou Indireta, disponibilizarão, mediante requisição da unidade municipal interessada, os dados necessários à efetivação da ação fiscalizatória devida.

Art. 7º - Na fiscalização instrumentalizada por terceiros, a codificação necessária e específica a ser inserida nos autos de notificação, infração e multa será definida, de forma conjunta, pela Secretaria Municipal interessada e pela Companhia de Processamento de Dados do Município de São Paulo - PRODAM.

Art. 8º- Este decreto entrará em vigor na data de sua publicação, revogadas as disposições em contrário.

PREFEITURA DO MUNICÍPIO DE SÃO PAULO, aos 19 de setembro de 2002, 449º da fundação de São Paulo.

MARTA SUPLICY, PREFEITA

ANNA EMILIA CORDELLI ALVES, Secretária dos Negócios Jurídicos

JOÃO SAYAD, Secretário de Finanças e Desenvolvimento Econômico

JILMAR AUGUSTINHO TATTO, Secretário Municipal das Subprefeituras

Publicado na Secretaria do Governo Municipal, em 19 de setembro de 2002.

RUI GOETHE DA COSTA FALCÃO, Secretário do Governo Municipal

Fonte: Imprensa Oficial do Estado (20/9/02)

Revista Consultor Jurídico, 23 de setembro de 2002, 10h31

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/10/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.