Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Erro inexistente

Justiça decide que ortopedista não deve indenizar ex-paciente

A 2ª Câmara Especial Cível do Tribunal de Justiça do Rio Grande do Sul decidiu, por unanimidade, manter decisão que nega indenização por danos morais, materiais e estéticos em ação movida contra um ortopedista.

Uma ex-paciente alega que houve erro médico no atendimento que recebeu pelo ortopedista no hospital e, por isso, ficou com limitações de movimento no braço. A Justiça rejeitou o argumento. Ainda cabe recurso.

De acordo com o processo, ela sofreu acidente automobilístico em 1996 e teve três fraturas no braço direito. Os primeiros socorros foram prestados por médicos do hospital São José, em Santa Catarina, que indicaram cirurgia imediata. Então, ela resolveu buscar atendimento em Porto Alegre (RS).

No hospital Moinhos de Vento, foi atendida pelo especialista em ortopedia. O médico optou por fazer um tratamento convencional e dispensou a cirurgia.

Segundo a ex-paciente, as dores decorrentes do tratamento foram intensas e com a utilização de um gesso pesado. Depois de mais de quatro meses do acidente, as dores continuavam. Ela resolveu procurar outro médico, que indicou a imediata intervenção cirúrgica. A ex-paciente disse que ficou com limitações de movimentos por causa do suposto erro do ortopedista.

O desembargador Nereu José Giacomolli, relator do processo, votou pela manutenção da decisão de primeiro grau. “Restou claro que a cirurgia imediata ao acidente implicaria em um processo mais doloroso e com maiores riscos de infecções, não sendo aconselhável”, disse.

O relator afirmou ainda que “o fato é que houve fratura grave, como asseverado por todas as partes envolvidas na questão, e não há como se imputar ao médico as conseqüências do evento, quando toda a prova indica tenha ele agido corretamente e com zelo no tratamento da autora”.

O desembargador Guinther Spode e a juíza convocada Marilene Bonzanini Bernardi acompanharam o voto do relator.

Processo nº 70004613220

Revista Consultor Jurídico, 31 de outubro de 2002, 13h03

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 08/11/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.