Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prisão mantida

STF mantém condenação de ex-dirigente de instituição financeira

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Gilmar Mendes, negou habeas para Plínio Bosquetti. Ele é um dos quatro ex-dirigentes da instituição financeira Fundo Aeros condenados por gestão fraudulenta de instituição financeira e outros crimes previstos na Lei do Colarinho Branco (lei nº 7.492/86). O STJ manteve a condenação e a ordem de prisão dos envolvidos.

Na ação, o advogado Alberto Zacharias Toron pediu que o julgamento fosse adiado. Ele argumentou ter assumido compromisso profissional na data da sustentação oral que faria perante o Tribunal Regional Federal, em São Paulo, no dia 22 de abril, quando os acusados tiveram a prisão decretada.

Segundo o ministro Gilmar Mendes, a leitura do acórdão do STJ afasta a possibilidade de concessão de liminar. No despacho, o ministro disse que Alberto Toron não era o único advogado encarregado da defesa de Bosquetti e que o pedido de adiamento do julgamento foi feito no mesmo dia da sessão. O desvio do Fundo Aeros foi denunciado criminalmente pela Procuradoria da República em 1995

HC 82.241

Revista Consultor Jurídico, 29 de outubro de 2002, 18h39

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 06/11/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.