Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Questão de saúde

Velloso autoriza hospitalização da assistente de Gloria Trevi

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Carlos Velloso, autorizou que a assistente de palco da cantora mexicana Glória Trevi, Maria Raquenel Portillo, retorne ao hospital. Maria Raquenel também é parte em processo de Extradição (EXT 784) solicitado pelo México.

Maria Raquenel foi hospitalizada no dia 24/9, no Hospital Regional da Ceilândia, cidade-satélite do Distrito Federal. Em 30 de setembro, o relator da Extradição, ministro Carlos Velloso, determinou o retorno da assistente à Penitenciária da Papuda.

Em seu despacho, o ministro argumentou que, apesar do laudo do Hospital de Base informar que a moléstia vascular de Maria Raquenel não tem significação, "fatos novos" apresentados por outros laudos médicos recomendam a internação dela.

O ministro Carlos Velloso oficiou ao diretor-Geral da Polícia Federal para que Maria Raquenel retorne ao Hospital Regional da Ceilândia, para que ela, se for o caso, continue seu tratamento e faça novos exames, conforme for decidido pelo corpo médico do hospital.

Revista Consultor Jurídico, 4 de outubro de 2002.

Xxxxxxxxx

Precatório trabalhista

Gilmar Mendes suspende ato da presidente do TRT-RJ

STF suspende ação contra o RJ pelo não pagamento de precatório

O ministro Gilmar Mendes cassou ordem de seqüestro da Justiça do Trabalho contra o Estado do Rio de Janeiro. O Estado não pagou o precatório de caráter alimentar, no valor de R$ 11.984,26. O ministro concedeu a liminar ao Estado do Rio de Janeiro na Reclamação contra ato da juíza presidente do Tribunal Regional do Trabalho da 1ª Região. O seqüestro foi determinado por descumprimento de prazo para pagamento do precatório trabalhista.

O governo estadual informou que o precatório foi incluído no orçamento de 1999, "estando ainda pendente de pagamento, dentro da estrita seqüência cronológica determinada pelo art. 100 da Constituição da República".

O ministro Gilmar Mendes determinou a imediata devolução aos cofres públicos do estado dos valores objeto da ação, até decisão final sobre a matéria. O ministro considerou as informações de que o precatório foi incluído no orçamento, mas a execução da ordem não ocorreu "tendo em vista a observância de ordem cronológica dos precatórios expedidos em desfavor do estado do Rio de Janeiro".

Rcl 2.155

Revista Consultor Jurídico, 4 de outubro de 2002, 23h04

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 12/10/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.