Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Grupos de trabalho

RNP cria grupos para o desenvolvimento de projetos nacionais

Neste ano, a Rede Nacional de Ensino e Pesquisa (RNP) deu um passo à frente para facilitar o desenvolvimento de projetos em parceria com grupos de pesquisa nacionais. Criou o programa Grupos de Trabalho RNP (GT-RNP), coordenado por sua Diretoria de Inovação.

Os Grupos de Trabalho (GTs) têm um ano para realizar suas atividades. Normalmente, estas são iniciadas em maio ou junho, para possibilitar a apresentação de um relatório final no ano seguinte, durante o Workshop RNP2. Os projetos desenvolvidos devem demonstrar a viabilidade do uso de novos protocolos, serviços e aplicações de redes de computadores, através da implantação de um serviço-piloto. Mais tarde, o piloto pode ser convertido em serviço oferecido regularmente para usuários do backbone RNP2.

Para 2002, a RNP definiu cinco grupos: Qualidade de Serviço, Diretórios, Voz sobre IP, Vídeo Digital e Aplicações Educacionais em Rede. Cada um deles é coordenado por um pesquisador oriundo de uma instituição de pesquisa, escolhido pela RNP, e conta também com um ou mais pesquisadores.

O que fazem os GTs

O GT Qualidade de Serviço (QoS) articula diversas iniciativas sobre este tema. A implantação de QoS no backbone RNP2 é fundamental para garantir o sucesso de aplicações avançadas, como videoconferência e voz sobre IP. Estas aplicações demandam, além de grande largura de banda no caso de transmissão de vídeo, um serviço de transporte diferenciado. É preciso garantir que a transmissão dos dados seja feita sem interrupção, com retardo controlado e perdas mínimas de pacotes.

O GT Diretórios investiga a adoção de diretórios como uma forma padronizada de guardar e tornar acessíveis bases de informações usadas em aplicações distribuídas. Sujeitos à criação de mecanismos para garantir a segurança das informações, diretórios podem servir para possibilitar seu compartilhamento por diferentes aplicações e comunidades de usuários. Um de seus usos importantes é para guardar certificados de chaves públicas, o que torna mais simples a autenticação segura de acesso a recursos numa rede. Utilizando diretórios, o GT pretende promover a colaboração entre entidades de ensino superior e pesquisa e o intercâmbio de serviços. Esta atividade será pioneira no Brasil, onde não há projetos de diretórios multicampus.

O GT Voz sobre IP (VoIP) estuda a transmissão de voz digital pela Internet, utilizando o protocolo IP. O objetivo é implantar um serviço experimental de telefonia no backbone RNP2 para instituições usuárias estabelecerem comunicação de voz mediante telefones comuns, telefones IP e estações de trabalho. Pretende-se, ainda, capacitar pessoal para operar serviços de VoIP e desenvolver programas de telefonia IP.

O GT Vídeo Digital visa a implantar, no RNP2, uma infra-estrutura de suporte a aplicações que manipulem vídeo digital, para criação, armazenamento e transmissão de conteúdo em vídeo. Pretende ainda criar o Portal de Vídeo Digital, com documentos, ferramentas e normas sobre o assunto, e a Rede de Vídeo Digital (RVD), que auxiliará a captura, a recuperação e a transmissão de vídeo sob demanda. Com a criação da RVD, espera-se implantar um serviço de vídeo sob demanda no RNP2, com suporte para replicação e transmissão otimizada.

O GT Aplicações Educacionais em Rede pretende estudar ferramentas de interação entre grupos ou indivíduos fisicamente distantes. Recursos como videoconferência, video streaming, compartilhamento e transferência de informações e imagens podem viabilizar atividades de educação a distância, bem como auxiliar o atendimento a clientes, na área de telemedicina e no desenvolvimento de projetos colaborativos.

Fonte: RNP Notícias.

Revista Consultor Jurídico, 1 de outubro de 2002, 1h23

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 09/10/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.