Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Gol da Fupe

Federação Universitária Paulista de Esportes é isenta de pagar IPTU

A Federação Universitária Paulista de Esportes (Fupe) não precisa pagar IPTU. A decisão é da Segunda Turma do Superior Tribunal de Justiça. De acordo com a Corte, o fato gerador do referido imposto não abrange a posse exercida pelo comodatário e se o imóvel pertence ao Município, que está imune de pagar imposto de sua competência tributária, não deve ser cobrado de então recorrente.

A Fupe foi fundada em 18 de setembro de 1934 com o objetivo de reunir os jovens universitários paulistas em torno de ideais sociais mediante a prática saudável do esporte. Até hoje reúnem-se na Federação as associações atléticas vinculadas a cada uma das faculdades e entidades de ensino superior de São Paulo.

A ausência de intuito lucrativo, aliás, propiciou à Fupe o reconhecimento de sua natureza de entidade de utilidade pública, tanto no plano Estadual, quanto em nível municipal. A Federação sobrevive das mensalidades pagas pelas associações a ela filiadas, e com esse dinheiro conseguiu construir uma praça esportiva.

Em maio deste ano, a Federação foi surpreendida com despacho em que se rescindia a concessão de uso da área que lhe houvera sido cedida pela Prefeitura de São Paulo pelo prazo de 40 anos. O despacho estaria firmado na ausência de recolhimento do IPTU. O advogado da Fupe afirmou que a Federação nunca esteve obrigada ao recolhimento do imposto, e que o caráter assistencial e educacional sempre foi admitido no âmbito da administração pública, principalmente em nível municipal, razão pela qual o IPTU jamais havia sido cobrado.

A Fupe ajuizou ação anulatória de débito fiscal contra o Município de São Paulo, pretendendo o reconhecimento da nulidade do lançamento do IPTU sobre imóvel que utiliza em regime de comodato, sob a alegação de que detém imunidade tributária. O pedido foi rejeitado na primeira instância. A Federação apelou e o Primeiro Tribunal de Alçada Civil do Estado de São Paulo deferiu o recurso, garantindo a imunidade do pagamento do IPTU.

O Município de São Paulo, inconformado, entrou com um recurso no STJ. Alegou que a Federação passa a ser possuidora direta do imóvel e, por conseqüência, deve pagar o IPTU. Sustenta que estava obrigada a recolher o imposto por força do que foi pactuado na escritura pública de cessão.

A Segunda Turma do STJ, por unanimidade, indeferiu o recurso. A relatora do processo, ministra Eliana Calmon, afirmou que jamais pode ser chamado como contribuinte do IPTU o locatário ou comodatário. Afirmou ainda que o STJ entende ser da responsabilidade exclusiva do proprietário o pagamento do referido imposto.

Processo: Resp 325.489

Revista Consultor Jurídico, 29 de novembro de 2002, 11h12

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 07/12/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.