Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Prisão mantida

STF: Gloria Trevi permanecerá em delegacia de polícia no DF.

Os ministros do Supremo Tribunal Federal negaram, nesta quarta-feira (27/11), o pedido da cantora mexicana Glória Trevi contra a decisão do ministro Carlos Velloso, relator de seu processo de Extradição. Ela deverá permanecer presa na 3ª Delegacia de Polícia Civil, em Brasília, onde aguarda decisão final do STF sobre o pedido de Extradição feito pelo governo do México.

O ministro Velloso afirmou que, pelo fato dela estar com o filho recém-nascido, foi transferida para uma prisão especial - a 3ª Delegacia de Polícia do Cruzeiro - e vem recebendo tratamento diferenciado, uma vez que esta delegacia é reservada às autoridades policiais.

Segundo o ministro Velloso, a alegação de Glória Trevi de que há uma sentença de um juiz federal mexicano que concede amparo a ela e sua secretária Maria Raquenel Portillo não pode ser apreciada pelo STF. Nota verbal da embaixada mexicana transmitida à Corte pelo ministro do Estado da Justiça informa a existência de recurso interposto pelo Ministério Público do México contra esta decisão.

Durante o julgamento, o ministro Carlos Velloso recebeu um fax da embaixada do México, em Brasília. A embaixada comunicava decisão do Tribunal Colegiado Mexicano que negou, na semana passada, em segunda instância, o amparo solicitado por Glória Trevi e sua secretária, Maria Raquenel Portillo.

No mesmo documento, a embaixada afirmava ter recebido um comunicado dos advogados de Glória Trevi. Segundo a embaixada, no documento os advogados da cantora informam a decisão de Gloria Trevi em retornar voluntariamente ao México para se apresentar a Justiça.

Ext 783

Revista Consultor Jurídico, 27 de novembro de 2002, 19h48

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 05/12/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.