Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Cobrança de atitude

Crime organizado continua com força no Espírito Santo, diz OAB.

O presidente nacional da OAB, Rubens Approbato Machado, reuniu-se, nesta terça-feira (26/11), com o ministro da Justiça, Paulo de Tarso Ribeiro, para cobrar resultados efetivos no combate ao crime organizado no Espírito Santo. O assassinato, na semana passada, de uma das principais testemunhas contra os grupos de extermínio, demonstrou, segundo Approbato, que os criminosos continuam dando as cartas no Estado.

Além disso, de acordo com o presidente nacional da OAB, está nítido que a Polícia Federal não consegue avançar nas investigações. Desde julho, quando foi negado o pedido de intervenção federal no Espírito Santo, "nada mais consistente foi apresentado que dê à sociedade daquele Estado a certeza de que o poder paralelo exercido pelo crime organizado está sendo combatido em sua raiz", disse Appobato.

Para o presidente nacional da OAB, outras testemunhas importantes também correm sérios riscos de vida. Ele afirmou ainda que o mandato do atual governo termina no último segundo do dia 31 de dezembro e, até lá, continuará cobrando as providências que foram prometidas quando se trocou a intervenção federal por uma força tarefa.

Segundo ele, o ministro Paulo de Tarso concordou com a observação e prometeu anunciar, nas próximas horas, o nome do novo superintendente da Polícia Federal no Espírito Santo. O anterior, Tito Caetano Corrêa, foi exonerado após a morte da testemunha Manoel Corrêa da Silva.

O ministro recebeu Approbato logo após audiência com o governador eleito Paulo Hartung. O presidente da OAB estava acompanhado da presidenta em exercício da OAB-ES, Gladys Joussfroy Bitram, e do presidente da Comissão Nacional de Direitos Humanos da OAB, Roberto Gonçalves de Freitas.

Revista Consultor Jurídico, 26 de novembro de 2002, 19h10

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/12/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.