Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Porto dos Milagres

Globo deve pagar multa por participação de menor em novela

A TV Globo deve pagar multa de 20 salários mínimos por permitir a participação de uma menor na gravação da novela Porto dos Milagres, sem autorização judicial. A decisão unânime é da Primeira Turma do Superior Tribunal de Justiça, que manteve decisão da Justiça do Rio de Janeiro.

O TJ-RJ afirmou que o acesso de crianças e adolescentes às diversões e espetáculos públicos inadequados às faixas etárias depende de autorização judicial, mesmo se o menor estiver acompanhado dos pais.

De acordo com os autos, em 9 de abril de 2001, a TV Globo permitiu a participação da menor que atuou como Ana Beatriz na gravação do capítulo da novela exibido naquela data, sem o necessário alvará judicial. Depois de receber o auto de infração, a ser recolhido em favor do Fundo da Infância e da Adolescência do Conselho Municipal dos Direitos da Criança e do Adolescente, a emissora recorreu. No entanto, a multa foi acolhida pelo juiz da 1ª Vara da Infância e da Juventude da Comarca da Capital.

A TV Globo pediu a nulidade do auto de infração. Alegou que ele não foi lavrado imediatamente após o fato e que a participação da menor na gravação não exigiria prévia expedição de alvará, pois não se enquadraria em qualquer das previsões legais constantes do artigo 149 da Lei 8.069/90 (ECA). Além disso, a menor estaria acompanhada de seu responsável e a gravação da novela não se configuraria em espetáculo público.

A segunda instância do Rio manteve a multa. A Globo recorreu ao STJ. Alegou que o despacho do TJ-RJ não se limitou ao exame processual. Segundo a emissora, houve apreciação também do mérito do apelo, o que seria vedado. Além disso, afirmou pretender a "devida valoração dos elementos de convicção contidos nos autos, que incontestavelmente, não foram observados nas instâncias ordinárias".

O relator do caso no STJ, ministro José Delgado, rejeitou o pedido da emissora. Segundo o relator, a decisão do TJ-RJ discutiu toda a questão com apoio no inciso II (necessidade de autorização judicial), do artigo 149, do ECA, e não no inciso I (suprimento da autorização judicial em face da presença dos pais ou responsáveis), como alega a emissora.

Da mesma forma, o exame do recurso especial exigiria a análise de matéria fática, o que é vedado pela súmula de número 7 do STJ. Assim, "a questão de o tribunal ter se manifestado sobre o mérito da lide torna-se prejudicada em face destes fundamentos. Não há possibilidade de se apoiar, a meu ver, a tese desenvolvida", concluiu.

Revista Consultor Jurídico, 11 de novembro de 2002, 9h45

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 19/11/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.