Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Ação trancada

STF trança ação contra advogado que comparou general a Hitler

O advogado Lélio Antônio dos Santos Corrêa conseguiu trancar ação penal por injúria ajuizada contra ele por um general. A Segunda Turma do Supremo Tribunal Federal acolheu o recurso do advogado.

A ação teve origem em uma desavença ocorrida entre um general do comando militar da Amazônia e um primeiro-sargento, que é cliente de Lélio Corrêa.

O sargento apresentou denúncias de corrupção contra o general, o que gerou duas representações junto ao Ministério Público. A primeira foi pelo crime de prevaricação e a outra, por abuso de autoridade e tortura psicológica.

A segunda representação teria ocorrido em razão da perseguição que o general teria iniciado após as denúncias do sargento. O general teria invadido a residência do sargento e também determinado sua prisão sem que houvesse razão para tanto.

Comparação

Durante os debates processuais, o advogado que defendia o sargento chamou o general de "ímprobo", além de questionar sua sanidade mental. E ainda chegou a compará-lo a Adolf Hitler.

O general disse que se sentiu ofendido e ajuizou uma ação por injúria contra o advogado. Lélio Antônio entrou com habeas corpus com base na imunidade profissional prevista na Constituição Federal. O artigo 133 da Carta Magna dispõe que o advogado é "inviolável por seus atos e manifestações no exercício da profissão, no limite da lei".

Os limites dessas manifestações já foram amplamente debatidos no Supremo. Mas ainda assim o caso envolvendo o general, o sargento e o advogado foi motivo de controvérsia na Segunda Turma.

De um lado, o relator do recurso, ministro Nelson Jobim, e o ministro Maurício Corrêa entenderam que as manifestações ocorreram dentro dos limites legais. Para eles, embora as palavras utilizadas pelo advogado tenham sido ásperas, elas guardam pertinência com a causa defendida, e também são fruto do estremecimento das partes.

"Os advogados não devem comportar-se como se estivessem em um convento de freiras", ressaltou Maurício Corrêa, ao dizer que as paixões nas cortes comportam um linguajar mais veemente.

Os ministros Carlos Velloso e Gilmar Mendes invocaram os direitos e garantias fundamentais previstas pela Constituição que, segundo eles, devem se sobrepor à imunidade profissional. Velloso defendeu a elegância do debate entre advogados e afirmou que se for permitido esse tipo comportamento nas cortes, "amanhã a arena judicial vai transmudar-se".

O voto de minerva foi dado pelo presidente da Turma, o ministro Celso de Mello. Ele entendeu que as circunstâncias do caso levam a crer que as palavras do advogado não guardavam a intenção de ofender o general, mas de defender o sargento, ocorrendo no âmbito estritamente profissional.

Celso de Mello argumentou que as manifestações do defensor guardam relação de pertinência com a causa e destacou que há vezes em que o defensor tem a necessidade de criticar uma determinada situação e, no calor do debate, utiliza-se de expressões que chamou de "ácidas". O resultado do julgamento foi favorável ao advogado, que deixará de responder a ação penal por injúria.

RHC 81.746

Revista Consultor Jurídico, 5 de novembro de 2002, 11h07

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 13/11/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.