Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Papel polêmico

STF decide sobre exigência de diploma para exercer o jornalismo

O ministro do Supremo Tribunal Federal, Celso de Mello, levará a julgamento o pedido da advogada Mariza Baston de Toledo contra o decreto-lei 972/69, que instituiu a exigência do diploma de jornalista para o exercício da profissão.

O recurso será levado a julgamento plenário do Supremo porque envolve matéria constitucional.

A advogada quer que o STF reforme decisão do Superior Tribunal de

Justiça. A Corte negou a concessão do registro profissional de jornalista requerido.

Segundo a advogada, ato do ministro do Trabalho, Francisco Dornelles, seria ilegal por se amparar em legislação anterior à Constituição federal de 1988.

A ação contesta o artigo 4º do decreto-lei 972/69, que condiciona o

exercício da profissão de jornalista ao registro prévio junto ao

Ministério do Trabalho mediante a apresentação do diploma do curso superior de Jornalismo.

De acordo com a advogada, o ato afrontaria o inciso 13 do artigo 5º da carta de 88, que prevê o livre exercício de qualquer trabalho, ofício ou profissão, atendidas as qualificações profissionais que a lei estabelecer.

Os ministros do STJ acolheram a opinião do Ministério Público Federal ao negar o mandado de segurança. Para o STJ, o ministro do Trabalho não cometeu abuso ou arbitrariedade ao negar o registro.

De acordo com o STJ, as condições estabelecidas para o registro de jornalista profissional são específicas e sua concessão depende do atendimento aos requisitos da lei.

RMS 24213

Revista Consultor Jurídico, 26 de março de 2002.

Revista Consultor Jurídico, 26 de março de 2002, 16h17

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/04/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.