Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Caso Sudam

ANPR pede proteção da PF para procurador ameaçado de morte

A Associação Nacional dos Procuradores da República divulgou nota à imprensa para informar que pediu proteção da Polícia Federal para o procurador da República em Tocantins, Mário Lúcio de Avelar.

O procurador, que investiga o caso Sudam, está sendo vítima de ameaças morte.

Veja a nota divulgada pela ANPR

A Associação Nacional dos Procuradores da República - ANPR - vem a público informar que o procurador da República no Tocantins Mário Lúcio De Avelar está sendo vítima de ameaças morte.

A situação de perigo em que se encontra o procurador da República chegou a seu conhecimento por meio de comunicado feito pelo juiz federal no Tocantins Alderico Rocha Santos. Segundo informações, um político da cúpula do PFL foi quem advertiu Alderico sobre a ameaça.

A Associação solicitou a garantia da integridade física de Mário Lúcio, por meio de proteção policial, ao Ministro da Justiça, Aloysio Nunes, ao Procurador-Geral da República, Geraldo Brindeiro, e ao Diretor-Geral da Polícia Federal, Agílio Monteiro.

A ANPR adverte que a atuação institucional dos membros do Ministério Público Federal não se enfraquece com ameaças à integridade física, ofensas ou outros meios utilizados para desencorajar o efetivo cumprimento das funções institucionais de seus membros.

As investigações desenvolvidas por Mário Lúcio De Avelar e pelos demais procuradores da República que atuam no CASO SUDAM continuarão a ser realizadas com o mesmo empenho que tem sido dedicado desde o seu início e com o compromisso de trazer à tona as fraudes, improbidades e corrupções acaso praticadas, bem como de promover a responsabilização de todos os culpados.

As ameaças apenas fortalecem o nosso espírito de luta e de combatividade.

Carlos Frederico Santos

Presidente da Associação Nacional dos Procuradores da República

Revista Consultor Jurídico, 21 de março de 2002.

Revista Consultor Jurídico, 21 de março de 2002, 10h19

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 29/03/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.