Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Na linha de tiro

Governadores do Rio, Minas, Goiás e ES respondem processos no STJ.

Além de Roseana Sarney, do Maranhão, mais quatro governadores têm processos em andamento no Superior Tribunal de Justiça: Anthony Garotinho, do Rio de Janeiro; Itamar Franco, de Minas Gerais; Marconi Perillo, de Goiás e José Ignácio, do Espírito Santo.

No entanto, os processos estão parados porque o tribunal para dar andamento precisa da autorização das respectivas Assembléias Legislativas. No caso do Espírito Santo o processo está nas mãos do Procurador-Geral da República, Geraldo Brindeiro, que emitirá parecer e depois devolverá os documentos ao ministro relator no STJ.

O processo contra Garotinho (Ação Penal 167) é por prevaricação. De acordo com o Ministério Público, autor da denúncia, em 1998 quando era prefeito de Campos, no interior do Estado, o atual governador teria autorizado uma construção irregular. A obra favoreceu a então secretária de Educação do município, Maria Auxiliadora Freitas de Souza, casada com um dos proprietários da edificação. O pedido foi encaminhado pelo ministro Peçanha Martins à Assembléia Legislativa em 12 de novembro do ano passado.

Itamar Franco, de Minas, é alvo também do Ministério Público (Ação Penal 196). O MP denunciou o governador mineiro por difamação e injúria contra o presidente da República, Fernando Henrique Cardoso em virtude notícias consideradas ofensivas nas edições dos principais jornais em 5 de setembro do ano passado. O pedido a Geraldo Brindeiro foi encaminhado pelo então ministro da Justiça e hoje embaixador em Portugal, José Gregori, por determinação expressa de FHC.

Nas matérias - publicadas nos jornais O Globo, Jornal do Brasil e Gazeta Mercantil - o governador teria afirmado, durante palestra no Rio de Janeiro, que Fernando Henrique estaria manipulando o processo eleitoral para a escolha do novo presidente do PMDB. Segundo Itamar, o seu sucessor no Palácio do Planalto estaria liberando verbas em troca de votos para o deputado Michel Temer (PMDB-SP), na convenção do partido. "Verbas alocadas, que estavam retidas em alguns ministérios, foram liberadas rapidamente, em menos de três meses. Essa convenção pode ser viciada", registrou o JB, atribuindo a afirmação ao governador".

As acusações de Itamar Franco não pararam na convenção do partido. Segundo o Ministério Público, no mesmo pedido encaminhado ao STJ, o governador também teria ressaltado a sua preocupação quanto às eleições presidenciais deste ano. Itamar apontou a possibilidade de FHC fraudar o sistema eletrônico de votação "porque é capaz de tudo" para continuar no Poder. A denúncia destaca ainda mais duas afirmações feitas pelo governador mineiro. Segundo ele, o governo federal estaria sob "corrupção endêmica, suspeito de comprar votos para a reeleição e de ter subavaliado o sistema Telebrás".

O pedido para processar Itamar Franco foi encaminhado à Assembléia Legislativa de Minas Gerais pelo vice-presidente do STJ, ministro Nilson Naves em 17 de janeiro deste ano quando estava atuando como presidente interino do tribunal. O caso está na Corte Especial do STJ e o relator sorteado é o ministro Fontes de Alencar. Enquanto não for dada autorização pelos deputados estaduais mineiros o processo fica parado nas prateleiras do tribunal.

Por uma das acusações, a de compra de votos por parte do Planalto, para a reeleição de FHC, alguns dos mais famosos advogados brasileiros, em grupo, estão pedindo a abertura de processo de impeachment contra o presidente da República. O processo por crime de responsabilidade, a exemplo do que ocorre nos Estados, encalhou na Câmara dos Deputados. No início deste mês (6/3) a Justiça do DF notificou o deputado Aécio Neves para dar curso ao processo, que ali se encontra há mais de seis meses.

Marconi Perillo, de Goiás, é alvo do Inquérito 320 no Superior Tribunal de Justiças. O pedido à Assembléia Legislativa - feito a 21 de fevereiro último pelo ministro Humberto Gomes de Barros destina-se a apurar suposta ocorrência de irregularidades que representariam crime eleitoral.

Nos autos que chegaram ao STJ, encaminhados pelo juiz de direito da comarca de Montes Claros de Goiás e que serviram de base à instauração do inquérito, o governador goiano é acusado de haver prometido, e realizado, obra de iluminação do estádio municipal Amador de Jesus Borges durante a campanha eleitoral de 2000.

Segundo o juiz de Goiás não foi firmado nenhum tipo de convênio uma vez que o estádio é da administração municipal. O juiz de Montes Claros de Goiás encaminhou os autos a Brasília atendendo manifestação da procuradora-geral de Justiça de Goiás, Ivana Farina.

Por último, também tem processo em andamento no STJ o governador do Espírito Santo, José Inácio. O ministro Humberto Gomes de Barros é relator da petição 1.523 ajuizada pela Companhia de Noticias Consultoria S/C, de São Paulo e pelo seu proprietário João Batista Rodarte.

Tanto a empresa, quanto o seu proprietário afirmam que o governador teria difamado a Companhia de Noticias atribuindo fatos ofensivos à reputação da empresa. O governador, segundo a petição, cunhou o apelido de "geradora de factóides" à empresa paulista, além de responsabilizá-la, juntamente com Rodarte, "por todas as denúncias de corrupção veiculadas contra o governador do Espírito Santo". O relator abriu vista ao Ministério Público no último dia 13 de março.

Revista Consultor Jurídico, 17 de março de 2002.

Revista Consultor Jurídico, 17 de março de 2002, 17h11

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 25/03/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.