Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Manobra castigada

STF multa donos da Bateau Mouche por ajuizar recurso infundado

O Supremo Tribunal Federal decidiu multar a Bateau Mouche Rio Turismo LTDA. A Corte entendeu que a empresa ajuizou um recurso de Agravo Regimental para retardar o desfecho da ação judicial em que foi condenada a indenizar as vítimas do acidente ocorrido com embarcação turística de mesmo nome em 31 de dezembro de 1998.

A relatora do processo, ministra Ellen Gracie, afirmou que trouxe a questão ao plenário para colocar um fim a mais uma "manobra protelatória" da defesa da Bateau Mouche.

Em seu voto, a ministra relatou que a empresa questionava a certidão de trânsito em julgado - que indica fim do litígio, sem mais possibilidade de recurso. O argumento era que o prazo para recorrer deveria ter sido contado em dobro porque, na origem da ação, havia outras partes no processo; a União e a Itatiaia Turismo.

O Código de Processo Civil (artigo 191) prevê um aumento de prazo nos casos em que as partes tenham advogados diversos, para que se manifestem nos autos.

A Bateau Mouche tentou a via do Recurso Extraordinário para o Supremo, as outras partes não apelaram. A relatora concluiu que o prazo para recorrer era simples, portanto, não cabia questionamento de uma decisão final da Justiça.

A ministra Ellen Gracie enfatizou a necessidade de aplicação de multa ao caso para desestimular a má-fé das partes em reavivar processos em que não cabe mais nenhum tipo de recurso.

A relatora disse que o Poder Judiciário é, muitas vezes, acusado de morosidade em razão de fatos como esse.

O Plenário decidiu aplicar à Bateau Mouche Rio Turismo LTDA multa correspondente a 2% do valor da causa, prevista pelo Código de Processo Civil (artigo 557, §2º) para aqueles que propõem agravos infundados.

AG 330106

Revista Consultor Jurídico, 12 de junho de 2002, 19h48

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 20/06/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.