Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sexta-feira, 27 de dezembro.

Primeira Leitura: conter inflação deve ser desafio do governo Lula.

Desafio à vista

A última ata do Comitê de Política Monetária (Copom) do governo FHC torna evidente o desafio do primeiro ano do governo Lula: conter a inflação, ainda que tenha de esquecer as promessas de campanha e elevar mais os juros, logo de saída.

A conta da luz

Segundo o Copom, a desvalorização do real neste ano, em relação ao dólar, vai chegar aos preços administrados em 2003. No caso das tarifas de energia elétrica residencial, o aumento projetado para o primeiro ano do governo do PT é de 30,03%. O conjunto dos preços administrados e monitorados deve subir nada menos do que 13%. Por essa razão, principalmente, as expectativas de inflação para 2003, coletadas pelo BC, aumentaram de 9,8% em novembro para 11%, em dezembro.

Já em janeiro

Neste mês, o BC aumentou a taxa básica de juros de 22% ao ano para 25%. A próxima reunião do Copom está marcada para os dias 21 e 22 de janeiro, já sob o comando do novo presidente da instituição, Henrique Meirelles, e com Antônio Palocci no cargo de ministro da Fazenda.

Mais Palocci

O desafio de conter a inflação reforça, naturalmente, o grupo de Palocci no governo. Primeiro, por colocar a área econômica em evidência, em detrimento dos demais ministérios. Segundo, por fortalecer o grupo do PT que, como ele, defende a manutenção da política econômica do atual governo por temer que um recrudescimento da crise financeira inviabilize o governo Lula.

Montando o gabinete

O governador paulista, Geraldo Alckmin (PSDB), anunciou ontem seu novo secretário da Fazenda: Eduardo Guardia, atual secretário do Tesouro Nacional. Alckmin já tinha indicado outros dois nomes de expressão nacional para sua nova equipe, o líder do governo na Câmara, Arnaldo Madeira, e Andrea Calabi, ex-presidente do BNDES.

Estratégia eleitoral

De olho nas eleições presidenciais de 2006, Alckmin busca formar um novo pólo de poder ao indicar um secretariado com "estatura de ministério" - nas palavras do próprio governador - para disputar o controle do PSDB nacional e garantir a sua indicação ao Planalto.

Solidariedade

O presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, disse que considera a ajuda brasileira ao governo da Venezuela um ato de solidariedade ao povo daquele país. A afirmação foi uma resposta à oposição venezuelana, que criticou o apoio do Brasil ao governo de Hugo Chávez, pressionado por uma greve geral iniciada em 2 de dezembro.

"Torcida"

"Não sei por que a oposição reclama. Torcemos para a Venezuela resolver seu problema da forma mais democrática possível", afirmou Lula, que enviou ao país, na semana passada, seu futuro assessor para Assuntos Internacionais, Marco Aurélio Garcia, para acompanhar a crise.

Confusão

Marco Aurélio Garcia disse ontem que a ajuda ao país vizinho não é uma interferência em assuntos domésticos, "como querem alguns setores mais nervosos da oposição" venezuelana. Para Primeira Leitura, porém, o assessor de Lula falou o que não devia: em missão quase oficial, não lhe cabe desqualificar a oposição venezuelana, como fez em Caracas.

Assim falou... Antônio Palocci

"Não precisamos de ministro reclamando, mas de ministro trabalhando."

Do futuro ministro da Fazenda, ao concordar com o presidente eleito, Luiz Inácio Lula da Silva, que disse que não ficará lamentando a falta de recursos.

Estava escrito?

O futuro ministro do Planejamento, Guido Mantega, disse estar "moderadamente otimista" em relação a 2003. Segundo o economista, o crescimento da economia brasileira no ano que vem deverá ser apenas razoável. Antes de ser nomeado para o ministério, porém, Mantega chegou a prever avanço de 2% a 3,5% do PIB no primeiro ano do governo Lula.

Revista Consultor Jurídico, 27 de dezembro de 2002, 13h54

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/01/2003.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.