Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Sonho possível

Brasil irá sediar rede de pesquisas sobre tecnologias sem fio

Acessar a Internet por meio de computadores de mão (palmtops), ligar o microondas via celular, assistir a vídeos e conversar por notebooks conectados a redes sem fio são sonhos que podem estar mais perto do que se imagina. Graças à empresa norte-americana Intel, a vanguarda da tecnologia de operações a distância chega ao país. A maior fabricante mundial de microprocessadores escolheu o Brasil para sediar a primeira Rede de Pesquisas em Tecnologias Móveis do mundo, a Wireless Competence Network. O objetivo da empresa é desenvolver tecnologia de novos aplicativos e dispositivos capaz de movimentar o mercado mundial.

A montagem dessa rede de estudos é parte dos compromissos assumidos pela Intel, junto ao Ministério de Ciência e Tecnologia (MCT), com sua adesão ao Programa Nacional de Microeletrônica. A rede, a princípio, contará com dois Wireless Competence Centers compostos por dois grupos de pesquisadores, um no Departamento de Computação da Faculdade de Ciências (FC), da Universidade Estadual de São Paulo (Unesp), campus de Bauru, e outro na Escola Politécnica (Poli) da Universidade de São Paulo (USP).

Inicialmente, esses laboratórios serão responsáveis por projetos de pesquisas e atividades de ensino, assumindo, a curto prazo, importante papel no desenvolvimento de pesquisas aplicadas, além de apoiar a indústria nacional de informática. Na Unesp, o Competence Center será instalado no Laboratório de Tecnologia da Informação Aplicada (LTIA), do Departamento de Computação da FC.

O pesquisador na área de planejamento tecnológico, professor Eduardo Morgado, coordenador do LTIA e do Projeto Wireless Competence, explica que a escolha da Unesp para sediar o laboratório deve-se ao apoio que a Intel tem oferecido à FC desde 1999. "Esses projetos já renderam ao Departamento de Computação a doação de mais de 50 microcomputadores, servidores e equipamentos de rede", ressalta.

Segundo o especialista em redes e colaborador do Projeto, Wilson Massashiro Yonezawa, um laboratório desse nível instalado na FC contribui, não só para a produção científica, como também para a formação dos alunos, com importante impacto no desenvolvimento de um parque tecnológico na cidade.

Os laboratórios são equipados com dispositivos que funcionam por sinais infravermelhos ou antenas que os conectam em rede. Essa tecnologia sem fio (wireless), permite a comunicação sem a necessidade das fiações e a distância dos enormes PCs. "Desse modo, a instalação das redes poderá dispensar os metros e metros de fios que interligam os computadores, garantindo mobilidade", explica Yonezawa. De acordo com Morgado, ao longo de 2003, o laboratório poderá contar com novos equipamentos que permitirão o desenvolvimento de dispositivos e aplicações de multimídia móveis, celulares ou computadores portáteis que permitam o acesso à Internet e a redes.

Os professores Humberto Ferasoli e René Pegoraro, do Departamento de Computação, também integram o projeto e se preparam para utilizar a tecnologia wireless nas áreas de robótica e automação industrial. "O projeto é ambicioso e desafiador, devendo envolver tanto os professores da Faculdade de Ciências, como os de outras unidades, como da Faculdade de Engenharia", explica Ferasoli.

O Competence Center pretende concentrar sua atuação nas áreas de educação, robótica e automação doméstica. "A casa do futuro é uma das alternativas de aplicação dessa tecnologia. Via celular, por exemplo, pode-se acionar eletrodomésticos, acender luz, entre outras atividades.", comenta Yonezawa.

De acordo com Morgado, a criação de softwares também será um dos grandes desafios à equipe. "Para garantir o melhor desempenho possível, os programas utilizados em dispositivos móveis precisam ser otimizados a fim de consumirem poucos recursos", ressalta. Ao todo, cinco centros serão abertos até o final de 2003, formando uma rede acadêmica para pesquisa, ensino e prestação de serviços. Cada centro atuará em áreas específicas, mas de forma coordenada. Todo o investimento em equipamentos necessários para a montagem desses Competence Centers será doado pela Intel às universidades participantes.

Fonte: portal Unesp.

Revista Consultor Jurídico, 18 de dezembro de 2002, 19h44

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 26/12/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.