Consultor Jurídico

Artigos

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Escolha subjetiva

O critério da conveniência na promoção de juízes de Direito em SP

Por 

Critério, no sentido de que ora nos utilizamos, significa "Aquilo que serve de base para comparação, julgamento ou apreciação" (veja-se dicionário). Conceitualmente, há dois tipos de critério - subjetivo (que se passa, unicamente, no espírito da pessoa) e objetivo (prático, positivo; ou seja, válido para todos, e não apenas para um indivíduo).

No campo da promoção de juízes de direito, a Constituição Federal de 1988 previu dois critérios - ambos de cunho objetivo. Em outras palavras, ao largo da subjetividade ínsita à só vontade daqueles incumbidos, por lei, dessa promoção, que, por isso, se deverão basear em elementos positivos (que não admitam dúvida; indiscutíveis, evidentes; reais, efetivos, verdadeiros; certos, seguros - vide léxico) para promover juízes. Esses critérios são os da antiguidade (qualidade de antigo) e do merecimento (capacidade, habilitação, inteligência, talento, aptidão) (1).

Nesse contexto, também segundo a Lei Orgânica da Magistratura Nacional(2) (Loman), referida no "caput" do art. 93 da Constituição Federal, efetivamente, há de se observar a conduta do magistrado e sua produtividade no exercício do cargo; ou seja, presteza e segurança no desempenho da jurisdição - boa qualidade de seu serviço (excelência dele).

Além disso, aproveitamento em cursos reconhecidos de aperfeiçoamento. Aí, o norte - rumo - do critério de merecimento. Para tanto, os tribunais terão, necessariamente, de dispor de formas práticas de aferição daquele que, em dada situação, merece - ou não - mais do que outro. Neste Estado - São Paulo -, por exemplo, para que se dê sentido objetivo àquilo que o art. 275 do Regimento Interno do Tribunal de Justiça prevê (3); justamente, quanto à melhor classificação ali referida.

Mas, como se perscrutar (investigar minuciosamente; indagar com escrúpulo - cuidado, zelo) do mérito efetivo de cada um sem a implementação, de fato, de algum critério? Comumente, neste Estado (falo do que vejo, tão-somente), a respeito, o que se tem visto é a falta de critério; ou melhor, o estabelecimento do critério subjetivo, à revelia da objetividade prevista em Lei, para que se dêem aquelas promoções. As preterições de uns, em benefício de outros - pela só conveniência pessoal -, não são raras (porque disto aqui se prescinde, conquanto os tenha, deixo de mencionar casos concretos).

Disso, muitos sabem; mas, não podem ou não têm a coragem de dizer. Tenho-a eu; sobretudo, na condição de cidadão brasileiro, cônscio de meus deveres - antes de qualquer coisa - e direitos; inclusive, o de expressão (4). Já passou do tempo de se expor as coisas quais realmente inda são, no intuito - exclusivo - de colaborar, mormente em época em que se apregoa a democratização das instituições brasileiras.

Que se passe, pois, do ato de apregoar - divulgar, proclamar publicamente - para o corajoso ato de realizar. Assim, melhor será - até verdadeiro estabelecimento de critérios de verificação do mérito individual -, porque menos injusto, se pensar - refletida, séria e detidamente - na só aplicação do único critério objetivo que ora inda se tem: o de antiguidade. Que o simulacro ceda, pois, passo à era nova de abertura democrática, onde impere - de fato -, em todos os setores, aquilo que deve ser.

Notas de rodapé

1- Constituição Federal:

Art. 93 - Lei complementar, de iniciativa do Supremo Tribunal Federal, disporá sobre o Estatuto da Magistratura, observados os seguintes princípios:

II - promoção de entrância para entrância, alternadamente, por antiguidade e merecimento, atendidas as seguintes normas:

c) - aferição do merecimento pelos critérios da presteza e segurança no exercício da jurisdição e pela freqüência e aproveitamento em cursos reconhecidos de aperfeiçoamento; (negrejei).

2- Lei Complementar nº 35, de 14/3/79:

Art. 80 - A lei regulará o processo de promoção, prescrevendo a observância dos critérios de antiguidade e de merecimento, alternadamente, e o da indicação dos candidatos à promoção por merecimento, em lista tríplice, sempre que possível.

Parágrafo primeiro - Na Justiça dos Estados:

I - apurar-se-ão na entrância a antiguidade e o merecimento, este em lista tríplice, sendo obrigatória a promoção do juiz que figurar pela quinta vez consecutiva em lista de merecimento; havendo empate na antiguidade, terá precedência o juiz mais antigo na carreira;

II - para efeito da composição da lista tríplice, o merecimento será apurado na entrância e aferido com prevalência de critérios de ordem objetiva, na forma do regulamento baixado pelo Tribunal de Justiça, tendo-se em conta a conduta do juiz, sua operosidade no exercício do cargo, número de vezes que tenha figurado na lista, tanto para entrância a prover, como para as anteriores, bem como o aproveitamento em cursos de aperfeiçoamento; (negrejei).

3- Art. 275 - Na promoção por merecimento, serão indicados os três juízes que houverem obtido a melhor classificação, prevalecendo, no caso de empate, o daquele que tiver mais tempo de serviço no quadro da Magistratura, e, subsidiariamente, o do mais antigo na entrância. (negrejei).

4- Constituição Federal:

Art. 5 - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:

IV - é livre a manifestação do pensamento, sendo vedado o anonimato;

IX - é livre a expressão da atividade intelectual, artística, científica e de comunicação, independentemente de censura ou licença;.

 é juiz de Direito

Revista Consultor Jurídico, 10 de dezembro de 2002, 11h57

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 18/12/2002.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.