Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Greve no Judiciário

TJ-SP reafirma que aumento não será concedido para servidores

O Tribunal de Justiça de São Paulo reafirma que não aumentará o salário dos servidores em greve porque no momento é "inviável". O comunicado será publicado na quarta-feira (12/9) no Diário Oficial. Nesta terça-feira, os grevistas fizeram uma passeata pelo centro de São Paulo com saída do Fórum João Mendes.

Segundo o presidente do Sindicato União dos Servidores do Poder Judiciário no Estado de São Paulo, Wagner José de Souza, havia cinco mil manifestantes na passeata. Ele disse que o ponto principal da reivindicação continua a ser o reajuste de 54,31%, já que os servidores não têm reposição há sete anos.

Na próxima quarta-feira (19/9), às 13h, acontecerá nova assembléia para avaliação do movimento. Segundo Souza, 85% do Judiciário paulista está parado. Ele afirma que desde o dia 27 de agosto, início da paralisação, deixaram de acontecer dez mil audiências em 315 Fóruns.

Veja o comunicado do TJ-SP sobre a greve.

C O M U N I C A D O

A Presidência do Tribunal de Justiça, no quadro atual de greve parcial no serviço forense, para evitar a radicalização, que não trará senão indesejável prejuízo aos próprios servidores, afetando a prestação jurisdicional, volta a esclarecer que, no momento, é absolutamente inviável a adoção de iniciativa administrativa ou legal tendente ao reajustamento de vencimentos, por força das disposições legais e constitucionais que regem a matéria.

As lideranças sindicais vêm afirmando que, por omissão da Presidência, não foi cumprido o disposto no art. 37, n. X da Constituição da República (redação dada pela Emenda n. 19/1998), mas olvidam que a aplicação do referido texto constitucional não pode ser apartada da norma do art. 169 da Constituição Federal, que assim dispõe:

"A despesa com pessoal ativo e inativo da União, dos Estados, do Distrito Federal e dos Municípios não poderá exceder os limites estabelecidos em Lei Complementar". Por sua vez, o respectivo parágrafo único estabelece:

"A concessão de qualquer vantagem ou aumento de remuneração, a criação de cargos ou alteração de estrutura de carreiras, bem como a admissão de pessoal, a qualquer título, pelos órgãos e entidades da administração direta ou indireta, inclusive fundações instituídas e mantidas pelo Poder Público, só poderão ser feitas:

I - se houver prévia dotação orçamentária suficientes para atender às projeções de pessoal e aos acréscimos dela decorrentes;

II - se houver autorização específica na lei de diretrizes orçamentárias, ressalvadas as empresas públicas e as sociedades de economia mista".

Na atualidade, diante das restrições impostas pela Lei de Responsabilidade Fiscal (Lei Complementar n. 101, de 04 de maio de 2000), da ausência de previsão e diretriz orçamentárias, da falta de recursos suficientes, considerando os limites já alcançados nas despesas com pessoal, é inatendível o pleito formulado pelos dignos servidores da Justiça, que são o esteio do Judiciário, dos quais depende a eficiente função judicial.

É oportuno lembrar, nesse instante, as palavras sempre sábias do jurista Ives Gandra Martins, nos Comentários à Constituição do Brasil, 6o vol, ed. Saraiva, 1991, pág. 387:

"Tenho entendido que o direito de greve é limitado às garantias outorgadas à sociedade pela Constituição. O direito ao trabalho é maior que o direito de greve, e o direito do cidadão ter serviço prestado por funcionário do Estado também é maior que seu direito de greve. Ninguém é obrigado a ser servidor público. Se o for, entretanto, deve saber que a sua função oferece mais obrigações e menos direitos que na atividade privada. É que o servidor é antes de tudo um servidor da comunidade e não um servidor de si mesmo, sendo seus direitos condicionados aos seus deveres junto à sociedade."

Confiando no espírito público e na compreensão dos servidores forenses que ainda não retornaram às suas atividades normais, o Poder Judiciário estadual espera que o parcial movimento grevista seja encerrado, sem prejuízo da continuidade da luta para a conquista das reivindicações pleiteadas, mediante alteração da Lei de Responsabilidade Fiscal, com o apoio da Presidência.

São Paulo, 12 de setembro de 2001.

MÁRCIO MARTINS BONILHA

Presidente do Tribunal de Justiça do Estado

Revista Consultor Jurídico, 11 de setembro de 2001, 17h36

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 19/09/2001.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.