Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Legítima defesa

Juiz paulista reage a assalto e baleia ladrão

O juiz de Direito Fernando Sebastião Gomes suspeitou de dois rapazes que estavam em uma motocicleta, quando trafegava pela avenida Juscelino Kubitschek. Gomes, temendo ser assaltado, apanhou sua pistola calibre 22. A moto aproximou-se do Audi A-6 preto do juiz.

Os rapazes perceberam que ele estava armado. O suspeito da garupa disparou seu revólver e atingiu a coluna esquerda do veículo. O juiz fez uma manobra brusca e baleou o rapaz, acertando-o na perna esquerda. Ele caiu da moto e, mesmo no chão, atirou novamente. O Audi freou e o juiz revidou, acertando o ladrão no peito.

A cena cinematográfica, relatada em reportagem da Agência Estado, foi presenciada por um grande número de pessoas, uma vez que naquele horário - por volta de 15h -, a avenida estava movimentada. E, como num filme, o comparsa afastou-se com a moto e, fazendo a volta, retornou em direção ao Audi. O juiz atirou e acredita tê-lo acertado também, mas o assaltante continuou pilotando e fugiu.

Enquanto o juiz tentava acionar a polícia, Fábio Souza Ribeiro, que estava com seu veículo próximo dali, foi obrigado por comparsas do marginal baleado - posteriormente identificado como Alexandre dos Santos Oliveira, de 18 anos, morador no Jardim Castilho, também na zona sul, - a levá-lo até a emergência da unidade Morumbi do Hospital São Luiz. Quando os policiais chegaram ao hospital, o ferido admitiu ter tentado assaltar o motorista do Audi.

O juiz, que atua no Fórum João Mendes, também compareceu ao PS e reconheceu o assaltante que, depois de medicado, foi liberado pelos médicos. Alexandre, foi autuado em flagrante. A arma que ele portava desapareceu, provavelmente levada por alguns dos comparsas, os quais ele se nega a identificar.

Agência Estado

Revista Consultor Jurídico, 25 de novembro de 2001, 9h53

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 03/12/2001.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.