Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

As palavras e as coisas

Cláudio Tognolli lança 'Sociedade dos Chavões' na terça

É no espaço entre o que se diz e o que se compreende que se localiza o poder de convencimento. A carga de idéias que se transmite em uma mensagem, raciocínio ou argumento é que define a sua compreensão.

O livro A Sociedade dos Chavões, do jornalista, músico e professor universitário Cláudio Júlio Tognolli não se trata de um manual de comunicação. Na verdade, vai além disso porque entra pelo campo da psicanálise e da lingüística. Traz entrevistas exclusivas feitas pelo jornalista com o célebre Timothy Leary (guru de grandes comunicadores, como o Beatle John Lennon) e com o cartunista Will Eisner (criador do Spirit).

O título da obra se justifica por um dicionário com três mil lugares-comuns usados na imprensa de todo o mundo. Os verbetes mostram como o pensamento e a maneira de se comunicar das pessoas estão condicionados a padrões de raciocínio que, se são claros, muitas vezes não têm nada a ver com o que se pretendeu expressar.

O livro não trata especificamente dos dramas de juízes e advogados. Mas acaba tratando desse buraco negro - a distância entre o que se quis dizer e o que se disse - onde são enterrados milhares de pedidos judiciais, rejeitados não por faltar a razão de pedir, mas por deficiência da mensagem.

Com 256 páginas e prefácio do notável Alberto Dines, "A Sociedade dos Chavões" é um lançamento da Editora Escrituras. A noite de autógrafos será na próxima terça-feira (27/11), a partir das 18h30, na livraria da Vila, à rua Fradique Coutinho, 951, em São Paulo.

Terceiro livro de Tognolli, o lançamento é uma adaptação da tese de mestrado defendida por ele na Escola de Comunicações e Artes da USP, em 1991.

O autor mostra nesse trabalho como as palavras chave e clichês programam as pessoas - uma ciência que Tim Leary chamava de memética (do francês meme-chose). Além da entrevista feita com o avatar do subconsciente, antes de sua morte, em 1997, Tognolli publica no livro a vasta correspondência trocada entre os dois.

No prefácio, Alberto Dines, escreve que o livro "traz uma idéia que, feliz ou infelizmente, ainda não virou um lugar comum: ou o jornalismo é essencialmente crítico, ou não é jornalismo".

Leia o prólogo de A Sociedade dos Chavões

Das Claves às Chaves

O presente estudo foi pensado anos a fio. Terá nascido não do axioma epistolar que divide o mundo entre a letra que mata e o espírito que vivifica, mas da música. O primeiro trabalho, no início dos anos 80, consistia em coletar os clichês de jazz, rock, country e de algumas estruturas da chamada música erudita.

Jorge Luis Borges havia chamado a atenção do autor quando da frase: "Pater, em 1877, afirmou que todas as artes aspiram à condição de música, que não é outra coisa senão forma" (in: A Muralha e os Livros, outras inquisições, 1950).

Nosso intuito heurístico, de descoberta, era pois mostrar que a música não seria tão pura assim, como vindica o escritor argentino. Procedi à coleta de clichês musicais. Devidamente gravados, escritos e catalogados, com a inestimável ajuda do professor Marcus Ricardo Rampazzo e, mais tarde, com os sábios conselhos do mestre Hans Joachimm Koellreutter.

Por volta de 1984 iniciamos a coleta dos chavões de imprensa, nos moldes do que havia sido feito com os clichês e patterns musicais. O autor chegou a compor uma lista de 3 mil chavões de revistas e jornais, cuja índole era algo parecida com aquela do dicionário das idéias fixas, colocado por Gustave Flaubert ao fim de bouvard et pécuchet. O que se tratava, digamos, de uma brincadeira estética para o autor, foi levado a sério pelos jornalistas Alberto Dines e Augusto Nunes, quando do curso Abril para jornalistas, em 1985. Somente a partir deles, e tão-somente, tive o empuxo de tornar aquilo um estudo.

Os trabalhos teriam sido impossíveis sem atenções devidamente chamadas na mídia, e me refiro precisamente à bem aventurança da jornalista Rosângela Petta. A partir de sua reportagem sobre os trabalhos (os nossos chavões, Jornal do Brasil, 9 de abril de 1987) pude acessar gente tão preciosa como Millôr Fernandes, que me franqueou acesso a Paulo Rónai e a Fernando Sabino, que por sua vez franqueou acesso ao seu belíssimo lugares-comuns.

Borgiano de carteirinha carimbada, o autor encontrou no bruxo da Calle Maipu postulados que, também, se lhe empuxaram a prosseguir o trabalho. A análise das Obras Completas de Jorge Luis Borges revelou, nesse primeiro momento da pesquisa, um viés de que a linguagem, da literatura em geral, e da imprensa em particular, estava se esgotando. Nesse mundo borgiano, o desapreço ao jornalismo é universal. "A imprensa, agora abolida, foi um dos piores males dos homens, já que tendia a multiplicar até a vertigem textos desnecessários" (In: Utopia de um homem que está cansado, O livro de Areia, 1975).

Ou, por outra: "Não me envergonho de ter querido ser jornalista, rotina que agora me parece trivial. Lembro ter ouvido Fernández Irala, meu colega, dizer que o jornalista escreve para o esquecimento e que seu desejo seria escrever para a memória e para o tempo"(In: O Congresso, O Livro de Areia, 1975). Ainda, na mesma obra, Borges orna o conto Avelino Arredondo com o extrato "ávido leitor de jornais, custou-lhe renunciar a esses museus de minúcias efêmeras".

Seria, digamos, laxismo da pesquisa deixar passar que a palavra, enfim, entrava em crise até na literatura. Mais uma vez, o início da pesquisa recorreu ao axiomático habitat borgiano. "As palavras são símbolos que postulam uma memória compartilhada. A que agora quero historiar é a minha somente; os que a compartilharam morreram" (In: O Congresso, O livro de Areia, 1975). A mesma linhagem de escassez se repete noutro extrato, da mesma obra, no conto O espelho e a máscara: Em Borges, a nossa Sociedade dos Chavões já vem de há muito: "Atribuíste a cada vocábulo sua genuína acepção e a cada nome substantivo o epíteto que lhe deram os primeiros poetas. Não há em toda a loa uma única imagem que não tenham usado os clássicos".

A análise do mundo borgiano, que presidiu os primeiros passos do presente estudo, quase nenhuma concessão faz à palavra. "Um fato qualquer, uma observação, uma despedida, um encontro, um desses curiosos arabescos em que se compraz o acaso, pode suscitar a emoção estética. A sorte do poeta é projetar essa emoção, que foi íntima, em uma fábula ou em uma cadência. A matéria de que dispõe, a linguagem, é, como afirma Stevenson, absurdamente inadequada" (In: Epílogo, História da Noite, 1977).

A seara de Borges, enviesada, postula a todo o momento um resgate da palavra, num processo, para ele, quase sem saída. "A palavra teria sido no princípio um símbolo mágico, que a usura do tempo desgastaria. A missão do poeta seria restituir à palavra, ao menos de modo parcial, sua primitiva e agora oculta virtude. Dois deveres teria tido todo o verso: comunicar um fato preciso e tocar-nos fisicamente, como a proximidade do mar" (In: Prólogo, A Rosa Profunda, 1975).

Em outros textos, Jorge Luis volta à carga sem delongas. "Escrever um poema é ensaiar uma espécie de magia menor. O instrumento dessa magia, a linguagem, é bastante misterioso. Nada sabemos de sua origem. Só sabemos que se ramifica em idiomas e que cada um deles consta de um indefinido e cambiante vocabulário e de um número indefinido de possibilidades sintáticas." (In: Inscrição, Os Conjurados, 1985). Enfim, bem a seu estilo, Borges sugeria, e só isso, sobre o que seria a linguagem -uma impossibilidade, para ele, bem wittgensteiniana. "Erroneamente, supõe-se que a linguagem corresponde à realidade, a essa coisa tão misteriosa que chamamos realidade. A verdade é que a linguagem é outra coisa". (In: A Poesia, Sete Noites, 1980).

Sobre o que fazer quanto a isso, o esgotamento da expressão, Borges é ainda mais misterioso. "O que fazer com as gastas palavras -com os Idola Fori de Francis Bacon - e com alguns artifícios retóricos que estão nos manuais? À primeira vista, nada ou muito pouco. No entanto, basta uma página do próprio Stevenson ou uma linha de Sêneca para demonstrar que a empresa nem sempre é impossível... Whitehead denunciou a falácia do dicionário perfeito: supor que para cada coisa existe uma palavra. Trabalham às cegas. O universo é fluído e cambiante; a linguagem é rígida". (In: Epílogo, História da Noite, 1977). Ainda sobre a linguagem, refere: "A linguagem, observou Chesterton, não é um fato científico, e sim artístico; foi inventada por guerreiros e caçadores e é muito anterior à ciência".

Mas, mesmo nesse corte, Borges conferia nada ou quase nada ao mundo inapreensível que a linguagem tenta capturar, isto é, simbolizar. "A música, os estados de felicidade, a mitologia, os rostos trabalhados pelo tempo, certos crepúsculos e certos lugares, querem nos dizer algo, ou algo nos disseram que não deveríamos ter perdido, ou estão prestes a dizer algo; essa iminência de uma revelação, que não se produz, seja talvez o fato estético". (In: A Muralha e os Livros, Outras Inquisições, 1950). Este é o impalpável universo borgiano.

De Borges, parti para a linguística, psicanálise e filosofia da linguagem. O mesmo espírito heurístico tentou se buscar em gente tão diferente como Wittgenstein, Freud, Lacan, Schaff, Lorenzer, e até em ícones da cultura pop, como Will Eisner e Timothy Leary. Nossa meta: o espírito de época visto através dos chavões, até mesmo no niilismo coquete (Susan Sontag) das mais novidadeiras formas de expressão da palavra. Em nenhum momento, há que se ressaltar, postula-se aqui a caça milenarista aos lugares-comuns. Escrever sem eles, ou tentar escrever, incide naquilo que José Guilherme Merquior apontava como efeito iatrogênico: do mal causado pelo próprio tratamento. Trata-se aqui, portanto, de um mapeamento, não de uma assepsia.

O trabalho, portanto, pretendeu ser um pequeno tratado sobre o encolhimento da linguagem, na sociedade em que o e-mail é a mensagem. Ou, como referiu George Steiner: "O escritor de hoje tende a usar muito menos palavras, e muito mais simples, tanto porque a cultura de massa diluiu o conceito de instrução como porque diminuiu extraordinariamente o conjunto de realidades das quais as palavras podem dar conta de modo necessário e suficiente".

Este trabalho teria sido impossível sem a ajuda de minha orientadora Maria Aparecida Baccega (ECA-USP), e sobretudo da paciência do psiquiatra Phd Timothy Leary -na época em que não havia o e mail, Leary fazia questão de me enviar pelo correio postal ("snail mail", correio lesma, como dizia) longas e laboriosas missivas, respondendo às minhas indagações.

Paciência igual tiveram meus antigos chefes, Suzana Camargo, Bizuca, Julio César de Barros, Julio Bartolo e José Carlos Ruy, ao permitir estudos em meio à carga horária do Departamento de Documentação da Editora Abril, o Dedoc. Devo ao jornalista Elio Gaspari a oportunidade de ter podido, eu mesmo, construir os meus clichês, pela primeira vez, trabalhando numa de redação.

O presente trabalho também não existiria caso não tivesse tido a oportunidade de minha correspondência em Miami, pela Folha de S. Paulo, onde, graças à boa vontade dos jornalistas Otavio Frias Filho, Leão Serva e Marcelo Beraba, tive tempo para pensar os finalmentes de tudo.

O livro é dedicado a Ogladys Volpato Tognolli, Luciana Nogueira Camargo, Claudio Picazio, Dora Tognolli Guglielme, Alberto Dines, Álvaro Alves de Faria Sérgio de Souza.

Revista Consultor Jurídico, 23 de novembro de 2001, 9h29

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 01/12/2001.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.