Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

O ovo da serpente

Em segredo, grupo abandona um dos maiores escritórios do país.

Os sócios de Machado, Meyer, Sendacz e Opice - Advogados foram surpreendidos na quinta-feira (11/1) com a notícia de que cinco de seus 24 sócios e três de seus associados abandonariam a Casa. Mais que isso: a dissidência já formara uma nova sociedade de advogados, com denominação e endereço próprios.

Eles formaram a Souza, Cescon Avedissian, Barrieu e Flesch. Entre advogados, estagiários e pessoal de apoio, a defecção somou 31 pessoas.

O baque sacudiu, mas não afeta a capacidade operacional do MMSO, considerado o quarto maior escritório brasileiro. Em seus 28 anos de atividade, o Machado-Meyer ganhou respeito e solidez. Soma hoje cerca de 160 advogados. Mais consultores, estagiários, paralegais, técnicos e especialistas, a corporação é composta por quase 400 profissionais.

Recentemente, a banca abriu escritório próprio em Nova York e incorporou a seus quadros o ex-diretor jurídico da Shell e o ex-Superintendente Jurídico da Petrobrás.

Em nota oficial, o Machado-Meyer descreveu o episódio da debandada como "uma iniciativa normal no segmento advocatício". Em entrevista à Gazeta Mercantil, o dissidente Roberto Barrieu explicou-se de maneira singular: "Apenas identificamos uma oportunidade e decidimos aproveitá-la".

O esmero diplomático, contudo, não serviu para tranqüilizar o mercado do direito. Nos escritórios de grande e médio porte, a articulação, em segredo, da dissidência, cheirou a motim. E inspirou preocupação. Ou, pior: a desconfiança. O exemplo não foi considerado dos melhores.

O Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-SP, se acionado, poderá verificar, por exemplo, se a nova sociedade foi formada ao tempo em que seus integrantes participavam da anterior - o que constitui infração ética grave. O comunicado oficial, anunciando o novo escritório, publicado no jornal O Estado de S.Paulo, nesta sexta-feira (12/1) só poderia ter sido divulgado depois de seu registro na OAB.

Revista Consultor Jurídico, 13 de janeiro de 2001, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 21/01/2001.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.