Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Um a menos

Mais um ex-vereador perde ação contra revista Veja

A imprensa tem o legítimo direito de informar e expressar opiniões sobre candidatos que concorrem às eleições. O entendimento é do juiz Reinaldo Cintra Torres de Carvalho, que julgou improcedente a ação do ex-vereador Vicente Candido da Silva contra a Editora Abril por causa de texto publicado na revista Veja.

A reportagem sob o título "Eleições - Vereador - Estes não farão falta", publicada em setembro de 2000, foi alvo de quatro ações judiciais. Por enquanto, três delas foram julgadas improcedentes em primeira instância e uma ainda não foi apreciada.

Neste caso, Silva queria ser indenizado por danos morais em R$ 10 mil. O juiz não acatou o pedido.

Entre os incomodados com a reportagem está o delegado da Polícia Civil, Carmino Pepe, ex-candidato a vereador em São Paulo e atual suplente na Câmara. Ele foi um dos que moveu ação contra a revista e perdeu. Veja notícia sobre o assunto.

A Abril é representada pelo gerente jurídico da editora, Djair de Souza Rosa. O argumento usado para livrar a revista da condenação é que os meios de comunicação têm a obrigação de orientar os eleitores. Todos os pedidos foram baseados na liberdade de imprensa.

De acordo com o juiz, a reportagem "não pode ser considerada ofensiva e as opiniões expressadas na publicação foram lastreadas em fatos divulgados pela imprensa anteriormente, e não contestados pelo autor".

Veja a decisão

21ª Vara Cível Central - Capital

Processo n° 000.00.649878.7 (ORDINÁRIA)

Vistos, etc...

Vicente Candido da Silva moveu ação ordinária de indenização por danos morais contra ABRIL S/A. alegando, em síntese, ser vereador reeleito a Câmara Municipal da Capital, tendo sido administrador regional do Campo Limpo, e com efetiva participação em CPIs e demais atividades da Câmara Municipal. Ocorre que a re fez publicar em data de 27/09/2000, na revista Veja São Paulo, uma matéria sob o titulo "São Paulo tem jeito - Estes não farão falta". Tal reportagem contém informações falsas, pois diz que o autor "não chegou a dizer a que veio" e que "mantém práticas clientelistas", sendo uma "praga".

A ré abusou do direito de informar, causando prejuízo moral ao autor, nos termos da Lei de Imprensa, devendo indenizá-lo por isso. Pediu a procedência da ação com a condenação da ré a pagar uma indenização de valor mínimo de R$ 10.000,00, além de ser obrigada a publicar a decisão condenatória, nos termos do artigo 75 da Lei de Imprensa, sob pena e multa diária. Juntou os documentos de fls. 07/99.

Citada, apresentou a ré a contestação de fls. 112/117 onde alega, em síntese, que a reportagem questionada se ateve a narrar fatos e fazer críticas sem qualquer ânimo de ofender a quem quer que fosse. As críticas feitas à atuação do autor como vereador estão lastreadas em fatos, e não se pode cercear a opinião quando esta lastreada em fatos comprovados.

Não extrapolou os limites da licitude, não podendo ser condenada por exercer legítimo direito seu, qual seja, de informar. Caso seja diferente o entendimento do Juízo, a publicação da decisão caracteriza bis in idem o que não pode ser aceito. Pediu a improcedência da ação e juntou os documentos de fls. 118/121.

Replica a fls. 123/124.

É o Relatório.

D E C I D O.

Entende o Juízo ser desnecessária a produção de outras provas, uma vez a matéria versada é de direito e a de fato já se encontra devidamente provada nos autos. Assim, deve o feito ser julgado nos termos do disposto pelo artigo 330, inciso I, do Código de Processo Civil. A ação é improcedente.

A matéria impugnada pelo autor faz parte de uma publicação de varias páginas dedicada à análise do comportamento dos vereadores municipais da Capital do Estado, que pretendiam a reeleição, bem como daqueles que pretendiam ser eleitos para o cargo de vereadores.

Trata-se de reportagem de fôlego e de indiscutível interesse jornalístico e informativo. Foram feitas considerações sérias a respeito do comportamento dos Srs. Vereadores candidatos a reeleição, dentre os quais o autor.

Diz o autor haver sido ofendido em seu íntimo pelo fato de haver a reportagem dito que ele se utilizaria de práticas clientelistas, o que seria uma praga, pois independeria da ideologia (ou partido) do vereador, e que sua atuação na Câmara dos Vereadores não foi profícua, pois ocupou espaço mas não chegou a dizer a que veio.

Entende o Juízo que a ré apenas exerceu seu legitimo direito de informar e expressar suas opiniões, função característica de uma

empresa jornalística e de informação.

A forma como redigida a matéria não pode ser considerada ofensiva, e as opiniões expressadas na publicação foram lastreadas em fatos divulgados pela imprensa anteriormente, e não contestados pelo autor.

Os documentos de fls. 118/121 apontam efetivamente para uma conduta parlamentar pelo menos ingênuo do autor, quando da presidência da Comissão Parlamentar de Inquérito da Educação (fls. 118/119), sendo certo que a utilização do clientelismo como forma de angariar votos, prática moralmente inaceitável, foi denunciada e não contestada pelo autor conforme documento de fls. 120/121.

Assim, tendo as críticas feitas pela ré se baseando em fatos, fatos esses não impugnados ou questionados pelo autor, o que traz a presunção de veracidade dos mesmos, não se poderia dizer que a ré abusou de seu direito de informar e criticar.

Por esses motivos, a improcedência da ação se impõe.

Isto Posto, e o mais que dos autos consta, JULGO IMPROCEDENTE a presente ação para condenar o autor Vicente Candido da Silva ao pagamento das custas e despe s as do processo e honorários advocatícios que fixo em 20% sobre o valor da condenação.

P.R.I.C.

São Paulo, 30 de março de 2001.

Reinaldo Cintra Torres de Carvalho

Juiz de Direito

Revista Consultor Jurídico, 22 de dezembro de 2001, 14h20

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 30/12/2001.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.