Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Movimento de paralisação

Juízes federais de 2ª instância da região Sul não farão greve

Os juízes do Tribunal Regional Federal da 4ª Região (que abrange Paraná, Santa Catarina e Rio Grande do Sul) decidiram não participar da greve - por prazo indeterminado - dos magistrados, marcada para ter início na segunda-feira.

Apesar de não parar suas atividades, em nota oficial, os juízes sulistas afirmaram que é "plenamente compreensível a posição dos magistrados de primeiro grau, no que diz respeito ao movimento de protesto".

A decisão foi tomada na quarta-feira pelos 23 integrantes da corte. Além de firmar posição oficial em relação à paralisação, os juízes decidiram suspender o concurso publico para juiz federal substituto que seria realizado neste ano "até que haja uma remuneração considerada digna para a categoria, que atraia candidatos mais experientes".

Existem cerca de 50 vagas a serem preenchidas na Justiça Federal do Sul e, com a suspensão do concurso, também fica suspensa a instalação e preenchimento de novas varas. Foi decidido que, "em breve", os juízes voltarão a se reunir para "avaliar a situação e tomar outras medidas que julgar necessárias".

Contudo, a greve ganhou o reforço dos juízes federais militares. Os magistrados - que somam 60 membros em todo país - decidiram aderir ao movimento.

Leia a íntegra da nota oficial dos juizes do TRF distribuída nesta sexta

O Tribunal Regional Federal da 4ª Região reuniu-se no dia 23 de fevereiro para discutir a situação crítica por que passa o Poder Judiciário Federal, no âmbito da 4ª Região, que jurisdiciona os Estados do Rio Grande do Sul, Paraná e Santa Catarina.

Em primeiro lugar, decidiu não participar de qualquer movimento de paralisação de suas atividades. Em segundo lugar, considerou plenamente compreensível a posição dos magistrados de primeiro grau, no que diz respeito ao movimento de protesto como preconizado. E isso, em especial, pelo aviltamento do Poder Judiciário que tem sofrido diversas investidas no sentido de seu desgaste com a opinião publica, afetando sua credibilidade.

A CPI do Judiciário, a reforma do Poder sem que se atendam as sugestões de quem exerce a jurisdição, os noticiários distorcendo os fatos e denegrindo a imagem dos juizes, o achatamento salarial são algumas das circunstancias que colaboram para a crise vivida.

No último concurso para Juiz Federal Substituto da 4ª Região, 30% dos 3.847 inscritos tinham de 25 anos de idade para baixo. Entre os aprovados, 52% estão nesta faixa etária, sendo que dois deles desistiram de assumir o cargo tendo em vista aprovação no Ministério Público Federal. A escolha tem recaído sobre os que apresentam potencial para a carreira, embora se reconheça que a inexperiência prejudique o exercício das funções.

A terceira medida decidida pelo tribunal foi a de suspender a realização de concurso para magistrados, ainda que existam cerca de 50 vagas a preencher, ate que haja uma remuneração condigna, que atraia interessados mais experientes.

A quarta medida, em decorrência da decisão anterior, foi a de suspender toda e qualquer criação de varas, e mesmo a instalação das já criadas, haja vista a deficiência do quadro.

Por último, entendeu o tribunal que deverá se reunir, proximamente, para avaliar a situação e tomar outras decisões que considerar necessárias.

Porto Alegre, 25 de fevereiro de 2000.

Tribunal Regional Federal da 4ª Região

Revista Consultor Jurídico, 25 de fevereiro de 2000, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 04/03/2000.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.