Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Coluna do Rio

Gugu Liberato será julgado no RJ por causa de cueca leiloada

Por 

Gugu será julgado no RJ

Está para acabar a novela do leilão da cueca do ator global Thiago Lacerda, promovido, em maio, pelo apresentador Gugu Liberato em seu programa.

O SBT tentou transferir o julgamento para São Paulo, mas o advogado Sylvio Guerra recorreu e ganhou. Por decisão dos desembargadores da 9ª Câmara Cível, Gugu será julgado no Rio de Janeiro.

O leilão da suposta cueca irritou o ator na época. Em entrevista à imprensa, considerou a brincadeira de mau gosto. O ator disse que Gugu teria que explicar na justiça o motivo pelo qual atribuiu a cueca a ele.

Falou, mas não esclareceu.

O senador Álvaro Dias (PSDB-PR), presidente da CPI do Futebol, no Senado, afirmou que a situação de Wanderley Luxemburgo ficou complicada após o depoimento de quinta -feira.

Segundo o parlamentar, o ex-técnico da seleção brasileira pode ser indiciado em quatro crimes. "Há indícios muito graves contra Wanderley Luxemburgo. Falta apenas reunir todas as provas, já que ele não explicou nada. Existem indícios de sonegação fiscal, elisão fiscal (falta de informações), evasão de divisas e lavagem de dinheiro. São crimes muito sérios".

A Comissão já tem provas que a mulher de Wanderley tem uma conta bancária em Miami. Para o senador, o ex-técnico da seleção brasileira não levou a sério o depoimento na CPI do Futebol. "Ele pensou que a CPI do Senado fosse um circo, mas ele vai ver que não é".

Lentidão de documento

Até morrer está ficando complicado no Rio. Uma certidão de óbito está demorando, atualmente, seis meses para ser expedida pelo

Instituto Médico Legal, mesmo requerida por juízes do Tribunal de Justiça.

Processo contra devedores

No Brasil existem, hoje, mais de 7 milhões de processos contra devedores de bancos: pequenos , médios e, principalmente , os grandões.

 é editor da revista Consultor Jurídico no Rio de Janeiro

Revista Consultor Jurídico, 4 de dezembro de 2000, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 12/12/2000.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.