Consultor Jurídico

Notícias

Você leu 1 de 5 notícias liberadas no mês.
Faça seu CADASTRO GRATUITO e tenha acesso ilimitado.

Advogado de Campinas é preso

CPI do Narcotráfico: advogado de Campinas pode ser suspenso

O Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-SP vai decidir se suspende preventivamente o advogado Arthur Eugênio Mathias, que está sendo acusado de integrar organização criminosa com sede em Campinas. Mathias voltou a ser preso nesta terça-feira (30/11) por conta de delito praticado em Igarapava (região de Ribeirão Preto/SP).

Anteriormente, ao mesmo tempo em que obteve ordem de habeas corpus para libertar Mathias, a OAB-SP havia determinado abertura de inquérito para apurar possíveis infrações éticas praticadas pelo advogado.

Ele havia sido preso temporariamente a pedido da CPI do Narcotráfico, mas foi solto porque os deputados não conseguiram apresentar os indícios que justificariam a prisão.

Irritados com a iniciativa da OAB e, em especial, do presidente da Subseção de Campinas (Aderbal da Cunha Bergo), a CPI decidiu convocar o dirigente para depor. O presidente da Seccional paulista, Rubens Approbato interveio e, com a ajuda do presidente da Câmara, Michel Temer, conseguiu reverter a convocação. Combinou-se um encontro na sede da OAB paulista do qual Bergo participaria.

O dirigente da OAB Campinas, segundo o presidente da CPI, Magno Malta, teria proposto aos deputados a liberação de Mathias. Em troca, o advogado diria à CPI o que sabe. Malta não aceitou e pediu a prisão do advogado.

A segunda de prisão de Mathias, agora relacionando-o a outros fatos, enfraqueceu sua posição e a defesa do órgão de classe.

Para demonstrar que, embora tenha defendido o profissional, por dever de ofício, a entidade não contemporiza com possíveis irregularidades cometidas por Mathias. A OAB-SP estuda divulgar na imprensa as medidas que está tomando.

Nos últimos 22 meses, o Tribunal de Ética e Disciplina da OAB-SP aplicou cerca de 500 punições. Nos últimos dois meses, depois que foi criada a Corregedoria no Tribunal, a média de julgamentos elevou-se de 100 casos mensais para cerca de 250.

Revista Consultor Jurídico, 1 de dezembro de 1999, 0h00

Comentários de leitores

0 comentários

Comentários encerrados em 09/12/1999.
A seção de comentários de cada texto é encerrada 7 dias após a data da sua publicação.